Projeto Bordar os sonhos


Desde junho estou realizando o Projeto “Bordar os Sonhos” com um grupo de mulheres do bairro de Sussuarana. 

Iniciamos o projeto com o prêmio que recebemos do Calendário das artes 2013. 
Nesse momento estamos preparando uma mostra de todos os bordados que produzimos durante esse tempo; todas as imagens que criamos a partir de nossas memórias, nossos cotidianos e nossos sonhos.
Desejamos imprimir um pequeno livreto com a história de nosso projeto, as histórias das mulheres que participam dele e uma galeria de imagens. 
Para realizarmos essa impressão nos falta o valor de R$ 1.500.
Por isso convidamos você a contribuir com o projeto comprando um pequeno bordado na dimensão 10 X 15 cm por R$ 15,00
Para mais informações nos escreva no movicontinuo@gmail.com
 
obrigada
 
flávia bomfim
Anúncios

Brasiliense apresentará Swing Tântrico no Rio de Janeiro


Eu entrei em contato com Assis da Silva pra comentar como eu fiquei extasiado ao ler Lacunas, um roteiro dele. O autor tem previsão de estrear uma peça no Rio de Janeiro em Fevereiro de 2014.

olá Dowglasz!

Fico feliz que tenha gostado do texto! Eu sou de Brasília, mas estou me mudando para o Rio para montar a peça que escrevi baseado em Lacunas, que se chama “Swing Tântrico”, eu alterei porque me disseram que o título não era muito comercial para uma comédia. a peça deve estrear no dia 1º/2/14 no teatro Princesa Isabel que fica entre o Leme e Copacabana.

O texto brinca com o fato das pessoas, apesar de dizerem que querem ser felizes, no fundo ficarem alimentando seu sofrimento, sempre interpretando os fatos do jeito a alimentar esse sofrimento. É como se houvesse lacunas, que são sempre preenchidas da forma mais negativa possível, ao invés de preenchê-las de uma forma positiva que as ajudassem a serem felizes.

um forte abraço! marcelo.

Leia Lacunas em http://ads.tt/JR9G.

 

A Mar Otelo


ImagemQuando Kipman adiantou elementos de sua produção, durane um encontro de amigos, eu imaginei algo mais chocante do que vi na segunda-feira mas compreendi o impacto que ele disse ter causado na apresentação da proposta.
Ainda senti um pouco da sobriedade que deu uma leve empobrecida na insanidade que eu esperava com aquela empolgação que o dominava dias antes da mostra Podres Poderes, mas senti o erotismo, a paixão e a visceralidade que foram prometidos nos posteres digitais. Continuar lendo

Podres Poderes finaliza terceiro semestre de Cênicas da UFBA


Somente horas depois me perguntei como alunos ainda do terceiro semestre teriam habilidade para apresentar obras como aquelas. Saí do MAM pensando como aquilo era um digno trabalho de conclusão de curso, visto que eu já tinha assistido a uma peça com esse caráter mas que não me tocou profundamente.

A primeira cena, A Desdita de Prometeu, foi uma escolha perigosa por seu nível de dificuldade. Apesar da ambientação privilegiada a montagem não me surpreendeu, embora eu tenha me impressionado com as expressões corporais. Ok, era pra ser teatro e não balé, deixe quieto.

Em Arlequim – O Servidor de Dois Patrões o tom espirituoso dos gestos (mesmo de um ator com quase todo o rosto coberto por uma máscara) foram tão bem empregados que a tonalidade infantil da caracterização dos personagens menores compromete muito pouco a cena que, aliás, foi a de maior empatia.

O último núcleo apresentou A Mar Otelo e usou o melhor figurino, agraciados pelo sol poente.  Os atores estavam tão absorvidos que somente os personagens se fizeram presentes. Pude vê-los como sapatos novos de couro: um tanto duros, sendo ainda amaciados, mas onde se pode confiar na qualidade.

A mostra Podres Poderes, do módulo III de Interpretação e Direção da UFBA, está sendo exibida de ontem (segunda, 02 de Setembro) a hoje, com reapresentações quarta e quinta, inciando às 16:30 no MAM (que está fechado para visitação devido às reformas).

Dwsz.

 

Moral da história: mate todos, todos! Não deixe nenhum. Isto é vitória, isto é aventura!


A Pedra do Meio-Dia ensina às crianças que “o importante é matar”.

Fiquei constrangido com a cena em que Artur mata aquela onça, logo no começo do espetáculo. PELO MENOS, no mínimo nessa cena, o assassinato era desnecessário. Para salvar Isadora, nesse momento (e qualquer história com o contexto da Amazônia diz o mesmo) bastaria ASSUSTAR a onça. Ela iria embora, não seria mais uma ameaça e preservar-se-ia a espécie ameaçada de extinção.

Em toda a peça repete-se sucessivamente a mensagem de “mate para se salvar, se proteger e atingir seu objetivo. Aliás, na dúvida de qual o seu objetivo, se não for este em fim, matar terá concluído a parte mais importante dele”.

É irônica aquela entonação ao mencionar as manchas de sangue das luvas do gigante (que no palco estava sem luvas) enquanto Artur, mesmo que virasse um peixe e vivesse na água, nunca lavaria aquele sangue que o cobre, que o faz nojento e que deixa rastros de chacina e de extermínio a cada passo na floresta.

Como é possível dizer para mim, “experiente” que a mensagem transmitida para as crianças não é “resolva na espada; se não tiver espada, use outra arma (uma faca talvez, espada é coisa de ficção); na falta de uma arma vá na mão mesmo”? Como é possível me dizer isso?
Se eu, “experiente”, só pude tirar esta e nenhuma outra lição da estória, que lição vocês esperam que as crianças estejam tirando???

Me assusta mais ainda estarmos assistindo a isso calados e acomodados em meados do século XXI. Há meio século começaram a ser feitos trabalhos anti-violência, com foco na infância e na juventude, além de programas de conscientização ambiental, com a temática mais abordada sendo “AMIGOS dos animais” e “preserve a natureza”, entendendo que “natureza” acolhe todos os animais, com mais atenção aos silvestres e aos ameaçados de extinção (na lista, os animais mortos pelo sanguinário personagem central: onça pintada, jiboia, e algumas subespécies de porco-espinho).
Até mesmo a clássica DONA CHICA já não atira mais o pau no gato e ensina as crianças que “isso não se faz, não devemos maltratar os animais”.

Até mesmo a Dona Chica já não atira mais o pau no gato.

Mas o que importa é que as crianças gostaram, só eu me incomodei e fiz questão de vaiar uma montagem nociva como essa.

Lembrando que as crianças gostam de sexo e violência, assistam mais MMA com seus filhos (vocês já não sabem diferenciar esporte/arte marcial de agressão, não saberão explicar e não esperem que seus filhos aprendam sozinhos quando lhes golpearem na barriga ao receber um “não”).

No teatro, para as crianças, vocês também poderiam fazer uma montagem de O REBUCETEIO. Certeza absoluta de que elas vão a-d-o-r-a-r. Só não garanto, porém, que supere um Jackie Chan ou Denzel Washington da vida.

Assim caminha a humanidade: sentada, acomodada, assim tá bom, deixa com está, o que importa é que as crianças gostaram e eu só vou me levantar se for pra voltar.

Dwsz.

Nota: A aberração teatral foi encenada na Cidade do Saber, e presenciada por mim no dia 07 de Abril de 2013. Apesar de tudo que os Profissional da Educação, Psicólogos ou Sociólogos possam dizer, concordando comigo, existe a “livre-expressão” que também permite que os pais façam suas crianças dançarem “sou o rei do puteiro” sem o menor pudor ou medo de condenação por contrariar o Estatuto da Criança e do Adolescente. Assim sendo, esta publicação é mera exposição de opinião e não tem valor social, acadêmico, clínico, pedagógico ou, ainda menos, de crítica sobre produções cênicas. Isto é Camaçari, isto é Bahia, isto é Brazil. Dwsz.

A água da loucura


Extraído do livro Veronika Decide Morrer, do escritor brasileiro Paulo Coelho. Trecho em que a personagem Zedka, uma interna do manicômio de Villete, conta a Veronika a estória do mago que jogou “poção da loucura” num poço de onde todo o reino bebia água.

Um poderoso feiticeiro, querendo destruir um reino, colocou uma poção mágica no poço onde todos os seus habitantes bebiam. Quem tomasse aquela água, ficaria louco.

Na manhã seguinte, a população inteira bebeu, e todos enlouqueceram, menos o rei – que tinha um poço só para si e sua família, onde o feiticeiro não conseguira entrar. Preocupado, ele tentou controlar a população, baixando uma série de medidas de segurança e saúde pública: mas os policiais e inspetores haviam bebido a água envenenada, e acharam um absurdo as decisões do rei, resolvendo não respeita-las de jeito nenhum.

Quando os habitantes daquele reino tomaram conhecimento dos decretos, ficaram convencidos de que o soberano enlouquecera, e agora estava escrevendo coisas sem sentido. Aos gritos, foram até o castelo e exigiram que renunciasse.

Desesperado, o rei prontificou-se a deixar o trono, mas a rainha o impediu, dizendo: “vamos agora até a fonte, e beberemos também. Assim, ficaremos iguais a eles.”

E assim foi feito: o rei e a rainha beberam a água da loucura, e começaram imediatamente a dizer coisas sem sentido. Na mesma hora, os seus súditos se arrependeram: agora que o rei estava mostrando tanta sabedoria, por que não deixa-lo governando o país?

O país continuou em calma, embora seus habitantes se comportassem de maneira muito diferente de seus vizinhos. E o rei pôde governar até o final dos seus dias.

Dwsz.

Rock do fim do mundo


Rock do fim do mundo

O último rock antes do fim do mundo

Acontece nesse Domingo, 16 de Dezembro de 2012, o último evento de rock de Camaçari. Antes que o Planeta X acabe com o mundo, o evento ROCK DO FIM DO MUNDO traz as bandas PRETEXTO ( de Punk-Rock-Hardcore Feminino), LATRYNA (Punk Rock-Hardcore), DR GORE (Death Metal Splatter Góre), BUSTER (Melodic Hardcore; Skate Rock) DECLINIUM (Indie), CODIGO EM SIGILO (Rock) e RIVERMAN (Rock).

Começa às 13:00 com GRUTA SOUND SYSTEM, é na Casa de Taipa, os ingressos custam R$7,00 e você pode confirmar sua presença pelo Facebook na página do evento.

O DONQQ curtiu e estará presente.

Dwsz.

História da Mona Lisa (La Gioconda)


A obra de arte conhecida como Mona Lisa, ou Gioconda (Latim = Alegre), foi criada entre 1503 e 1506 pelo artista renascentista italiano Leonardo da Vinci. É uma das obras mais famosas e conhecidas mundialmente.

O quadro apresenta uma pintura em tinta óleo sobre madeira de álamo e esta exposto no Musée du Louvre, em Paris, sendo a maior atração do museu.

As características que mais chamam atenção nessa obra, são:

-O sorriso enigmático e a expressão serena.

-Estética, técnicas e recursos artísticos utilizados na pintura.

-Harmonia entre a humanidade e a natureza, presente entre a modelo e a paisagem de  fundo.

-Conhecimentos matemáticos, que foram usados por Da Vinci para atingir a perfeição e o equilíbrio por meio da técnica Sfumato, que consiste em criar gradientes na criação de sombra e luz na pintura, sendo considerado o criador desta técnica.

Curiosidade:

Como a  tinta óleo que muitos artistas dá época utilizavam tinha cheiro muito forte, eles tinham que fazer uma parte do trabalho, parar e apenas dar continuidade quando houvesse uma melhora dos efeitos da tinta (que os deixavam com náuseas). Por isso a obra Mona Lisa levou 3 anos para ser completada e divulgada publicamente.

História  do quadro:

 A pintura foi retirada da Itália e levada  para a França pelo próprio Leonardo em 1516, quando foi convidado pelo Rei Francisco I da França para trabalhar na sua corte. O rei comprou a pintura, que passou a ser exibida em Fontainebleau  e depois no Palácio de Versailles.  Após a Revolução Francesa, o quadro foi levado para o Museu do Louvre. Um dos principais apaixonados  pela obra era o imperador  Napoleão Bonaparte, que mandou colocá-lo nos seus aposentos. No período das guerras com a Prússia, muitas peças presentes na  coleção do Museu foram escondidas em um lugar “seguro”. Porém em  22 de agosto de 1911 a “Mona Lisa” foi roubada, e o crime teve entre seus principais suspeitos o poeta francês Guillaume Apollinaire, que foi preso em 7 de setembro. Pablo Picasso também foi preso para interrogatório porém, tempos depois, ambos foram liberados.

Assim muitos passaram a acreditar que a pintura estava perdida e não seria mais recuperada. Mas, para espanto de todos, a solução do caso foi mais simples do que imaginavam. O empregado do Louvre, Vincenzo Peruggia, acreditava que a pintura pertencia à Itália e por isso não devia continuar na  França. Por esse motivo a roubou e conseguiu sair do museu com o quadro escondido sob seu casaco. Mas o desfecho dessa história só foi dado quando Peruggia tentou vendê-lo a um negociante de arte, pertencente a Florença.

Após os fatos ocorridos, a  “Mona Lisa” foi  exibida em vários museus italianos e, em seguida, retornou ao Louvre em 1913. Durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial  a pintura foi outra vez removida do Louvre e armazenada em um lugar seguro.

Em 1956 a parte inferior da pintura foi danificada por um ataque brutal, com ácido. Alguns meses se passaram e o quadro sofreu  um novo atentado. Dessa vez  um indivíduo lhe atirou uma pedra, e desdesse episódio encontra-se protegida por um vidro de segurança.

Quem foi a  Mona Lisa?

Existe um grande mistério, ninguém sabe ao certo quem foi. A comunidade que estuda a História da Arte trabalha apenas com hipóteses sobre quem foi a mulher retratada nesta pintura. Assim como:

1. Poderia ser a imagem de uma mulher idealizada e pintada pelo artista.

2. Pode ser um autorretrato de Leonardo da Vinci, vestido de mulher.

3. Mona Lisa era Lisa Del Giocondo, esposa do rico comerciante italiano Francesco del Giocondo. Tornou-se a mais provável no momento.

Análise da primeira letra do nome Gioconda-G

-Muito sério e com grande honestidade

-Busca a perfeição em tudo.

Análise da primeira letra do nome Monelisa-M(através da numerologia)

-Mostra a pessoa como é interiormente.

-Revela como pensa, sente e age.

-Por ter o numero 8 como seu número, pode-se dizer que a  sua vibração mostra a impressão que você transmite às pessoas e os efeitos que lhes causam.

Esse vídeo é muito interessante para quem quiser se aprofundar um pouco mais na história e nas teorias: http://www.youtube.com/watch?v=9B5QzIWMdgw

HISTÓRIA CRÍTICA DO BRASIL


Apenas hoje (25/06/2012) eu finalmente assisti CIDADE DE DEUS inteiro. Só agora entendi que esse não é apenas um filme de violência. Não é apenas uma obra comercial que alimenta a mente pervertida de pessoas alienadas que só pensam em sexo, drogas e crimes.
O filme de Fernando Meireles conta uma história importante do Brasil (e da violência que o toma). Não é à toa que ele foi indicado pela UFBA para a segunda fase do vestibular. Os estudantes que também tiverem assistido BRASIL: UMA HISTÓRIA INCONVENIENTE (documentário da BBC) poderão compreender muito bem toda a origem do estímulo à destruição das famílias, à guerra e ao narcotráfico e por que os “afro-descendentes” são os designados a essas margens do Sistema.
Uma análise mais abrangente leva à conclusão de que qualquer estudante deveria se inscrever no vestibular apenas pelo prazer de ter a chance de pesquisar sobre esses temas. Há diversos vídeos do gênero no Youtube e aqueles que pretendem levar a prova a sério vão se dar bem se os assistirem.
Dwsz.

Big Brother Brasil 13


Um carpete groselha numa kitnet toda branca.

Programa de televisão perdeu 10 anos de oportunidades de ser referência em moda-casa e desenho de intereiores no Brasil.

O programa produzido pela Rede Globo e de propriedade da Endemol, chegou à sua décima segunda edição ainda com muitos adeptos, mas com muitos críticos contra o programa. A verdade é que os televisionários já estão saturados do formato, que é praticamente o mesmo, sem novidades aparentes, desde a primeira edição, há dez anos. Sim, “apenas” dez anos porque o reality show foi exibido no Brasil pela primeira vez em 2002, com duas edições nesse e no ano seguinte.

Em 2013 a emissora exibirá a décima terceira edição, o que se deduz pelas seletivas (que duram um ano inteiro) estarem acontecendo pelo país. Há quem acredite nesse como um número de má sorte, mas estudiosos garantem que é o contrário, particularmente para comunicações. Isso, porém, não interfere na saturação. Vale enfatizar que o jogo oferece premiações milionárias, tanto para os participantes quanto para os investidores (através do retorno oferecido pelo merchandising e campanhas veiculadas nos intervalos do programa). E esses investidores não terão o mesmo interesse se a satisfação em ficar com a TV ligada de terça a segunda das 22:00 às 23:00 for a mesma das tardes de Domingo.

O que o Big Brother Brasil traz de comum entre todas as edições são mudanças na casa: sempre diferente, desde a decoração, passando por todo o mobiliário, até alguns cômodos. Em 2012 tentou-se sugerir uma ducha ecologicamente correta mas a sugestão, na verdade, foi que o “ecologicamente correto” é algo indesejável e obsoleto: era um chuveiro à manivela, que daria certo tempo de água quente de acordo com as voltas que se dava na alavanca. Erro pré-escolar (para evitar ofensas aos estudantes do Ensino Fundamental I, equivalente ao antigo primário) que não deve ser repetido senão pelos comediantes.

Ora, se todo ano a Globo apresenta uma casa nova, inclusive depois de fazer suspense, por que não apresentar algo que seja realmente surpreendente? Quero dizer, surpreendente no bom sentido – já que todos ficam surpresos com as babaquices que são mostradas. O BBB sempre teve tudo pra isso e deveria efetivamente ser um dos momentos mais esperados pelos designers, pela indústria da “moda-casa”, pelos compradores compulsivos de mobília, obras de arte, tintas de parede, pia, torneira, telhado, tapete, almofada, travesseiro… “Big Brother Brasil” deveria ser um “Fashion Home & Design” da TV brasileira. Aliás, se quiser manter a audiência e a popularidade do programa, é melhor pensar muito bem nisso porque mal chegava a metade da última edição e já rolava abaixo assinado pelas redes sociais pra tirar o programa do ar – independente do episódio “c* de bebo(a) não tem dono” (apesar de alimentado por ele).

Dwsz.

Pitty Stop: banda em recesso + artista em pseudo-crise = fãs em pânico


Compor é como vomitar. Quando você sabe que não vem é porque você sabe que precisa vir. E aí você fica encarando a privada, estimulando os movimentos peristálticos em reversão… e quando vem é pra valer, sai tudo que tinha que sair quase de uma vez, algumas vezes e, inclusive, quando você acha que já botou pra fora tudo que tinha lá dentro, ainda sai mais alguma coisa. Só depois você diz “agora sim!” e vai descansar. Ou voltar prà festa.

Eu tenho pena das pessoas que ouviram apenas dos boatos e daquelas que espalharam esses boatos por não saber ler e interpretar. No ano que vem completaremos 10 anos de Admirável Chip Novo e a Deckdisc não deve deixar passar em branco. No blog a Pitty diz que sua banda entrou em RECESSO. Seriam férias (coletivas) se não houvessem tantos projetos paralelos. O mais notório é o Agridoce, mas o assunto aqui ainda é a banda homônima à vocalista.

Todos sabemos que Pitty só lança material nos anos ímpares – seja por superstição, marketing ou “o tempo das artes”. Assim foi com o Admirável Chip Novo e com o Lado Z (2003), o Anacrônico (2005), o {DES}Concerto (2007), o Chiaroscuro (2009) e A Trupe Delirante no Circo Voador (2011). Houve uma exceção em 2004, que foi o Admirável Vídeo Novo, mas não sei se devo considerar à parte do ACN.

“Pode ser amanhã ou daqui a tempos”. Não importa. O que importa é que vai ter material novo em 2013, inédito ou comemorativo.

Se você rejeita a ideia de estimular o vômito, de enfiar o dedo na garganta e despejar no vaso, talvez você também rejeite a ideia de pegar três ou quatro fórmulas, bolar um hit redondinho com o que você sabe que funciona… Nesse caso, considere reler o primeiro parágrafo.

Dwsz.

» A Onda PITTY.