Ou seleção ou avaliação


O Enem é uma farsa: basta você ir bem em Matemática e
Ciências da Natureza que você vai bem no Enem. O resto é “padrão”.
A Teoria de Resposta ao Item serve para selecionar candidatos mas não para avaliar o desempenho de um aluno.
Embora tenha me beneficiado para a certificação de proficiência no Ensino Médio, eu não concordo muito com isso.
Dwsz

Anúncios

Divulgadas vagas do Sisu 2013


Foi publicado hoje, 28 de Dezembro, o resultado do Enem 2012, que pode ser conferido através da página http://sistemasenem2.inep.gov.br/resultadosenem/ onde o candidato terá acesso a suas próprias notas ao fazer login no sistema.

O MEC também já divulgou ontem a lista de vagas concorridas pelo SISU. Os candidatos podem fazer a pesquisa pela cidade, instituição ou pelo nome do curso.

Quem solicitou no ato da inscrição e atingir as médias exigidas, poderá solicitar o certificado de conclusão do Ensino Médio através do Exame Nacional, e as inscrições para a primeira etapa do Sistema de Seleção Unificada acontecem de 7 a 11, com segunda-chamada prevista para 28 de Janeiro de 2013.

Dwsz.

ENEM 2012 cancelado


Entrei no Twitter para atualizar a rede antes de inciar os preparativos para a prova de mais tarde e li que os Trending Topics me dizia que isso seria desnecessário. Em segundo lugar estava, claro, “ENEM“, já que são milhões de estudantes inscritos e as datas marcadas são hoje (03) e amanhã (04 de Novembro de 2012). Mas, em quarto lugar, estava “#ENEM2012cancelado”! Fiquei impressionado, principalmente pelo fato de a notícia só ter sido divulgada hoje (antes de dormir eu ainda não tinha visto burburinho na minha timeline do Facebook).

Seguindo o link do TT percebi que a maioria dos tweets eram chacota e no site oficial do do Inep não havia qualquer referência ao suposto ocorrido. Apelei para o Google que, na primeira página, apenas nas descrições, já me disse que era tudo boato. Mais do que isso: que a Polícia Federal vai investigar o caso.

Ora, lembrando de tudo o que aconteceu no passado, não seria nada difícil acreditar nesse mal-entendido. Mas foi justamente lembrando do passado que isso aconteceu: em 2009, um homem tentou vender a um jornalista uma prova subtraída de uma gráfica contratada para imprimi-las (isto foi notícia no Fantástico) e por isso as provas foram remarcadas. Acredita-se que um grande volume de acessos à publicação no site O Globo gerou esse tumulto, mas eu também aposto numa notícia real sobre o cancelamento do Enem 2012.

A intenção do MEC era realizar pela primeira vez duas edições do exame nacional no ano, mas a empresa que faz a gestão de risco do Enem concluiu que isso sobrecarregaria as estruturas logísticas do exame.

As provas estavam marcadas para Abril de 2012 e deixaram de ser realizadas exatamente pelos problemas anteriores, particularmente de 2011, onde estudantes tiveram erros na correção da redação, levando a Defensoria Pública da União a determinar que todos os estudantes tenham acesso à correção de suas provas (o que, até então, só seria possível com bons advogados). Com tão pouco tempo, não seria possível cumprir essa determinação, que fez o Enem 2012.1 ser cancelado mantendo-se apenas o que seria o Enem 2012.2, que sequer teve sua data alterada.

Em síntese, quase tudo o que se diz sobre o cancelamento do Enem 2012 é erro de interpretação e as provas dos dias 03 e 04 de Novembro de 2012 estão confirmadas, com portões abertos às 12:00 no horário de Brasília e duração de 4h30′ e 5h30′ respectivamente no primeiro e no segundo dias. É permito apenas o uso de canetas pretas com corpo transparente e não é obrigatório levar o cartão de inscrição: com local de prova e sala em mente, identifique-se apenas com documento de identidade com foto.

Dwsz.

Vestibulares 2013 na Bahia são adiados


A Universidade Federal da Bahia (UFBA) informa através de nota pública divulgada ontem (25 de Julho de 2012) que os prazos do vestibular 2013 foram adiados. O novo período de inscrições vai de 11 de Setembro a 09 de Outubro de 2012, com período para pedido de isenção de taxa de 20 a 31 de Agosto de 2012. É importante lembrar que, a partir desta edição, a primeira fase do processo seletivo será o Enem, sendo necessário fazer ambas as inscrições.

A Secretaria Geral dos Cursos (SGC) da UFBA também informa em sua página que as matrículas para o segundo semestre estão suspensas. O 2012.2 da instituição publicou a primeira chamada com matrícula a partir de 15 de Julho, mas entende-se que o procedimento não foi realizado devido às greves.

A Uneb também adiou as provas do vestibular 2013 para 13 e 14 de Janeiro de 2013. Faltam confirmar informações a respeito da paralisação das atividades devido às greves assim como da efetivação das matrículas do segundo semestre de 2012.

No IFBA, as atividades continuam paralisadas em Salvador e Camaçari, onde também não foram confirmadas ainda as informações sobre matrículas. No Prosel 2013, as insrições acontecem de 1° de Agosto a 23 de Setembro de 2013 e as provas serão aplicadas no dia 02 de Dezembro de 2012.

Dwsz.

 

 

 

As vaias para Haddad


Fernando Haddad ao lado de Lula, com uniforme do IF

Uma semana depois de o Enem de 2010 ter mostrado uma acentuada queda no desempenho das 50 melhores escolas de São Paulo, a cidade na qual pretende candidatar-se a prefeito em 2012, o ministro da Educação, Fernando Haddad, foi vaiado na Faculdade de Educação da USP e se envolveu em bate-boca com estudantes que criticavam a situação de abandono de várias instituições federais de ensino superior.

A expansão das universidades federais é uma das bandeiras que Haddad pretende usar em sua campanha eleitoral e os estudantes que o vaiaram eram, justamente, supostos beneficiários de sua política. Criadas com base mais em critérios de marketing político do que acadêmicos, tendo em vista a eleição presidencial de 2010, várias universidades federais foram inauguradas às pressas em instalações improvisadas, sem laboratórios e professores em número suficiente. (grifo meu)

Por isso, os grupos e facções estudantis que não se deixaram cooptar pelo governo federal – que converteu a UNE numa entidade chapa branca, por meio de generosos repasses financeiros – definiram uma pauta de reivindicações e um cronograma de protestos contra Haddad. Também acusam o ministro de não reivindicar um aumento mais expressivo do orçamento da educação.

Nesta década, o País tem investido, anualmente, 5% do PIB em ensino. No Plano Nacional de Educação, que tramita lentamente no Congresso, o governo propôs aumentar os investimentos para 7% do PIB. As organizações estudantis reivindicam 10%. (grifo meu) Para tentar granjear a simpatia dos estudantes da USP, Haddad chegou a invocar, sem sucesso, sua condição de ex-líder estudantil. E ainda tentou comparar os gastos com educação dos governos Fernando Henrique e Lula. Segundo ele, o orçamento do MEC subiu de R$ 32,1bilhões para R$ 69,7 bilhões, nos seis anos em que está à frente da pasta. O problema da gestão Haddad, portanto, não é de escassez de recursos, mas de falta de competência administrativa. (grifo meu)

Com o objetivo de mudar o foco do noticiário, que destacava o quadro desolador em que se encontra o ensino médio, revelado pelo último Enem, Haddad agora defende o aumento do tempo de permanência dos alunos na escola, seja ampliando de 200 para 220 o número de dias do ano letivo, seja elevando a carga horária diária. (grifo meu)

Pedagogos e dirigentes de escolas afirmaram que a ampliação da jornada diária é a medida mais recomendada para a melhoria de qualidade do ensino fundamental e médio, mas lembraram que ela é de difícil implementação, pois não houve investimento na melhoria da infraestrutura da rede pública nem na mudança dos currículos. (grifo meu) O ministro disse que já começou a discutir sua proposta com especialistas e secretários de educação, mas entidades do setor informaram que não foram procuradas para tratar do tema.

Esta tem sido a característica da gestão de Haddad à frente do MEC. Ele agita bandeiras vistosas, que lhe permitem sonhar com voos políticos mais altos, mas que carecem de eficácia e desperdiçam recursos escassos em programas sem a necessária conexão entre si. O ministro já defendeu a democratização do acesso ao ensino superior, sem tratar seriamente do ensino fundamental. Ele defendeu propostas irrealistas, como a adoção do tempo integral no ensino básico, quando deveria cuidar de questões fundamentais, como melhorar a qualidade do ensino de português, matemática e ciências. Endossou a introdução de filosofia e sociologia no ensino médio, sem que o País disponha de professores dessas disciplinas em número suficiente. Estimulou a ampliação desenfreada de escolas técnicas, sem que a rede já existente tivesse recursos suficientes para atender às despesas de custeio. E, ao tentar utilizar o Enem para unificar os vestibulares das universidades federais, desmoralizou esse mecanismo de avaliação.

A constrangedora vaia dos alunos da USP para Haddad não causa surpresa. Ela é a reação natural a uma gestão errática, demagógica e, principalmente, inepta.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,as-vaias-para-haddad,774039,0.htm

Continuar lendo

ENEM, é né? é mesmo…


QUERO VER QUEM PAGA PRÀGENTE FICAR ASSIM

Eita povo besta! Quem tem poder faz o que quer e ninguém fala nada. Problemas gravíssimos comprometem a credibilidade do Enem e os estudantes ficam calados. Se fosse há um tempo atrás já teria sido organizada uma manifestação em Brasília pela anulação da prova.

Eu insisto que a inversão na folha de resposta sozinha seria motivo suficiente para a anulação do exame. Mas é fato que os estudantes brasileiros estão cada dia mais alienados e só querem mesmo o que é mais fácil.

Continuar lendo

Prova amarela do Enem chega a ter 31 questões com problemas de impressão


Esta prova amarela não tinha 8 questões; na foto, falta a 83

Esta prova amarela não tinha 8 questões; na foto, falta a 83

O candidato Henrique Reis, de 17 anos, fez a prova amarela do Enem em Belo Horizonte. Ele contou 31 questões com problemas de impressão, incluindo nove questões completamente ausentes. Henrique enviou a foto que mostra que faltou a questão 83.

“Faltaram as questões 8, 20, 30, 31, 53, 64, 76, 77 e 83″, enumerou Henrique, que quer cursar Engenharia Elétrica. Além das questões faltantes, outras 23 questões tinham problemas de identidade com o caderno branco – algumas questões tinham duas versões (a do caderno branco e também a do amarelo); em outras havia apenas a pergunta do caderno branco (o que não deveria acontecer no caderno amarelo).Outros alunos na sala de Henrique tiveram problemas semelhantes com o caderno amarelo.

Leitores do Estadão Pontoedu também relataram problemas com a prova amarela.

Larissa, de Santa Catarina, escreveu: “Todos os estudantes que fizeram o caderno amarelo  relataram as trocas. A minha prova (amarela) tem cerca de 30% das questoes repetidas, erradas ou simplesmente ausentes”.

Adriano, de Aracaju, conta que “a minha prova amarela não tinha as questões de números 20, 21, 29, 30, 31, 50, 53, 54, 64, 76 e 77, além de questões repetidas. Um absurdo,isso revela o quanto o enem e a educação no Brasil estão de parabéns”.

Takechi, de Curitiba, escreveu apenas: “Prova amarela com cerca de 5 questões que simplesmente não existiam, sem contar que muitas foram repetidas”.

Fonte:http://blogs.estadao.com.br/ponto-edu/prova-amarela-do-enem-chega-a-ter-31-questoes-com-problemas-de-impressao/

Continuar lendo

Presidente do Inep minimiza erro no cartão-resposta


Leandro Colon – O Estado de S.Paulo
Em entrevista coletiva no final da tarde, o Ministério da Educação minimizou o erro no cartão-resposta na prova do Enem. O governo não sabe, entretanto, quantos estudantes foram avisados a tempo do erro ocorrido e nem a partir de quando essa possibilidade de correção estará disponível na internet. “No decorrer da semana”, disse o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), José Joaquim Soares Neto.

O episódio estragou os planos do governo de anunciar a aplicação do Enem 2010 com sucesso, um ano depois da anulação do exame por causa do vazamento das provas.

Na coletiva, o Inep falou em tranquilidade, mas teve que admitir que foi pego de surpresa pela troca dos cabeçalhos do gabarito. “Fiquei sabendo por volta das 13h. Foi no começo, no início da prova. E a orientação foi dada bem no comecinho da aplicação”, disse Soares Neto.

Ele admitiu ainda que não pode garantir que todos os 3,5 milhões de estudantes que compareceram ontem ao exame receberam a informação de preencher as respostas de acordo com a orientação dada de última hora pelo MEC para que a numeração das questões da prova fosse seguida no preenchimento do gabarito.

“Se por acaso alguma sala ou estudante não recebeu (orientação), estamos abrindo o requerimento”, afirmou. Apesar do erro, o presidente do Inep tentou diminuir a gravidade do episódio. “Nós tivemos 3,5 milhões de estudantes realizando o exame muito bem elaborado e não temos ocorrências de problemas em nenhum local. Tudo ocorreu de forma tranquila e a realização do exame foi um sucesso”, disse.

Soares Neto afirmou que não sabe o que ocorreu na impressão do cartão-resposta. “Ainda não tenho claro a origem do problema”, disse. “Claro que existe revisões, houve uma falha”, ressaltou. “É um processo bastante complexo. Nesse momento não tenho como afirmar onde foi que não ocorreu a não conferência, a falha desse problema”, afirmou.

Segundo ele, o Inep já entrou em contato com a gráfica que imprimiu as provas e o convênio Cespe/Cesgranrio que elaborou o exame deste ano. Soares minimizou a responsabilidade do MEC no erro. “O Inep não tinha as provas. As provas são impressas na gráfica em regime de total sigilo”, disse.

O presidente do Inep afirmou que o problema não mancha a credibilidade do exame, um ano depois do escândalo do vazamento da prova. “De forma alguma esse problema coloca em risco a credibilidade do exame. Ele ocorreu com bastante tranquilidade e sucesso”, disse.

O erro ocorreu no cabeçalho do cartão-resposta, onde os alunos anotaram o gabarito. No caderno de prova, os estudantes tinham de responder, em primeiro lugar, as questões de ciências humanas, cujas questões vinham numeradas de 1 a 45. Depois, vinham as perguntas de ciências da natureza, entre os números 46 e 90. No cabeçalho do cartão-resposta, porém, a ordem estava invertida, o que causou confusão entre os estudantes.

Fonte:http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,presidente-do-inep-minimiza-erro-no-cartao-resposta,635860,0.htm

Continuar lendo