Ver TV é uma obrigação


A maioria das pessoas na internet assiste os reality shows pelo prazer de falar mal desses programas. Não há nada de bom que possa ser aproveitado na maioria deles e o grande esporte é exatamente apontar os erros e todos os pontos negativos que os fazem ser produtos nocivos e de baixa qualidade.
Este prazer, porém, não é extasiante: não causa euforia ou nenhuma sensação sublime. Este prazer é aquele mesmo que se sente ao mergulhar a mão na água gelada depois de ter-se ferido com uma fôrma quente e pesada ao retirar um bolo do forno.

As pessoas não gostam realmente de assistir televisão: nem quem assiste TV aberta nem quem assina canais fechados. Ambos lamentam o conteúdo que recebem e choram por não poder “subir de nível”. Todos assistem pela obrigação de ter um assunto sobre o qual todos possam discutir em uma conversa.

O engraçado é que essa programação é elaborada pelos “donos do poder”, que têm um objetivo direto e específico com isso. Só que esses mesmos “donos do poder” reclamam dos efeitos causados na intelectualidade, cultura, educação, ética e moral da população.
E quem são os “donos do poder”?

Dowglasz Abjhörsky.

Salvador, com tarifas de ônibus entre as mais caras do país, NÃO PODE ficar sem redução


tarifas de onibus_Recife_antes da reducao_2013Recife tem 4 tarifas diferentes: A, B, C e D, de acordo com a linha/percurso dos respectivos ônibus.
Delas, apenas a tarifa B era mais cara que a de Salvador, tendo apenas ônibus novos, confortáveis, seguros e menos poluentes enquanto os nossos devem ter mais de 10 anos, talvez 15.

Senhor prefeito, a situação anterior já nos deixava com vergonha e foi por pouco que o “Domingo é meia” não virou motivo de piada: em Recife, a meia é para TODOS. E quem já paga meia, no Domingo paga meia da meia, ou seja, 1/4. Não importa se paga em dinheiro ou com cartão, todos pagam meia. (exceto os estudantes, que continuam precisando do cartão pra pagar 1/4)

Senhor prefeito, a situação atual é crítica e fará a cidade PARAR amanhã (20 de Junho de 2013, quinta-feira): a tarifa de Salvador, sem aumento, já era mais cara até mesmo que a do Rio de Janeiro! Tudo bem, foquemos no Nordeste: o governador de Pernambuco anunciou redução das tarifas de ônibus do Recife!
De novo, a situação anterior já nos deixava com vergonha. Se o senhor não anunciar uma BOA redução nas nossas tarifas toda a vergonha que nós temos (preste atenção: não é pouca!) será convertida em revolta.

Não, eu não estou ameaçando. Interprete mais como uma premonição do que como uma ameaça.

Dwsz.

http://facebook.com/dowglasz

Ninguém comprará a nossa luta


Movimentos sociais são iniciados, ordenados e liderados por membros da sociedade. Mas, quando são por mudanças importantes na sociedade (“pena privativa de liberdade para maltratadores de animais” será nosso exemplo ilustrativo) é necessário que alguém “compre” essa “luta”, afinal é necessário que sejam formuladas leis para isso, e seria importante a opinião de médicos veterinários (e clínicos também) e donos de pet shop, além de outros criadores e tantas outras categorias. Ora, se nem esses e nem a Sociedade Protetora dos Animais comprarem essa luta… Pra onde vai esse negócio?

Anarquia ou anarquismo? Manifestantes declaram desinteresse nas mudanças: rebeldes ficariam sem causa.

Continuar lendo

Suicídio coletivo na boate Kiss – previsão sobre os fatos seguintes


Eu estou tendo uma visão nesse momento. MOMENTO CLARIVIDÊNCIA:

O suicídio coletivo de centenas de jovens na boate Kiss, em Santa Maria, continuará sendo maldosamente interpretado como acidente. Os interesses capitalistas que fervem com a proximidade da Copa do Mundo prevalecerão sobre a importância de falar sobre o que levaria tantos universitários a se matar juntos.

O alarme soará por muitas semanas e os sensacionalistas exigirão a interdição de 96% das casas noturnas e incluirão alguns outros estabelecimentos na lista. Induzidos à falência, os estabelecimentos serão vendidos para grupos estrangeiros que serão elogiados pelo espaço, estética e segurança, mas também levarão embora o dinheiro brasileiro sem reinvesti-lo no país. Mas todos estarão na festa, se embriagando divertindo e ninguém vai se importar com isso. Algumas dessas novas casas permitirão a aparição de artistas que, antes disso, não vinham a essas regiões – mas sem garantir melhor PIB por causa disso.

As escolas brasileiras, inclusive Institutos Federais e outras escolas técnicas continuarão desinteressadas em realizar treinamentos de emergência. Aliás, essa expressão nunca será mencionada em tais ambientes. Os milhares de mortos por erros básicos na segurança em fábricas, a exemplo do Pólo Petroquímico, continuarão nunca mencionados.

Porra! De que adianta ser clarividente se eu só adivinho o óbvio?

Dwsz.

Assaltado pelo Banco Central


No 1º Ofício de Notas de Camaçari, ao solicitar e pagar o serviço de reconhecimento de firma – que custa R$3,10 -, o cliente ouve aquela vozinha cínica com um sorriso falso dizendo “vou ficar te devendo quarenta centavos”. PORRA! R$0,40 é muito pra deixar de gorjeta num mercadinho que me oferece bala quando faltam moedas de cinco centarro, como é que eu posso deixar isso num órgão público que já me assaltou na cobrança de um serviço tão básico?

Camaçari: cartórios privatizados apresentam problemas http://rmsnoticias.com/n/cartorios-privatizados-apresentam-problemas

A puta da servidora ainda começou a mudar o discurso balbuciando “eu não estou dizendo que não vou te dar o troco, estou pedindo pro senhor esperar um pouco porque faltam cinquenta centavos”. Eu dei R$4,10 a que ela me retornaria R$1,00. Nessa recontagem dela, eu conferi minha carteira de novo e ofereci uma moeda de R$0,50 pra facilitar o troco mas descobri que ela não tinha troco nenhum!

Uma dona de casa procurou apoio da Polícia Civil após ter a devolução do troco negado por um comerciante http://portal3.process.com.br/novo/modules.php?name=News&file=article&sid=7116

Sob a ameaça de barraco e denúncia de irregulares (cobrar 12% a mais sobre o valor de um serviço seria apenas a ponta de um iceberg) expressões de medo e contenção de músculos do rosto  plantaram-se em todos os seres que estavam do outro lado do balcão, fazendo aparecer imediatamente moedas suficientes para formar noventa centavos que se juntaram aos dez centavos que eu havia entregue com a duas cédulas azuis. Um dos servidores tinha escrito no crachá  – que não estava usando – “Carochinha” e começou o “era uma vez os servidores que acabamos de voltar porque fomos de banco em banco…” sendo interrompido por uma outra mulher em trajes formais que argumentava “não precisa dar satisfação não, pra esse mal-educado…”.

Os crimes do trocador sem troco http://direito.folha.uol.com.br/1/post/2012/05/os-crimes-do-trocador-sem-troco.html

Eu apenas observei tudo dos melhores ângulos até que todos estávamos de pé, de um lado e do outro do balcão, e, com o troco dado certo, nos voltamos para a saída, eu e o dono da casa, que fez questão de contar o que aconteceu a todos que encontrava pela rua, tão indignado e falastrão quanto eu ficaria se estivesse sozinho. O problema é que, não estando sozinho, eu minei todas as energias negativas que empregaria em um bom argumento-denúncia na Ouvidoria Geral.

Prefeito de Camaçari Luiz Carlos Caetano é punido por irregularidades em convênio http://www.jornalgrandebahia.com.br/2012/08/prefeito-de-camacariluiz-carlos-caetano-e-punido-por-irregularidades-em-convenio.html

Errado é quem exige seus direitos e quantos mais direitos tiver mais exigir. Brazil é um país de corrupção que incentiva a falsificação de documentos até mesmo quando emite algo tão barato quanto eu teria feito na minha impressora em casa. Mas eis o diferencial: em casa, eu teria feito melhor.

Etiqueta adesiva com impressão mal enquadrada, texto cortado e informação ilegível.

Dwsz.

Riachuelo investe no estilo ultra-retrô alienado “Pesadelo Americano”


Eu pensei que fosse apenas um erro para a televisão, mas a Riachuelo realmente tomou o “American Dream” como a temática da estação (Primavera-Verão).

Alguém pode, por tudo que há de mais sagrado na indústria têxtil, avisar a esses dementes senhores que o “Sonho Americano” é um pesadelo do qual muitas pessoas já acordaram e continuam acordando as outras?

O estilo de vida americano é tão “de última” que nem os próprios estado-unidenses suportam.

O sonho americano é lindo! (quando não se tem mais nada pra fazer além de ficar na frente da televisão)

Nem tudo que funciona no lápis, papel e alucinação dos croquis dos estilistas funciona em pessoas reais – e as “blogayras” com seus publiposts são capazes de provar isso sem fazer esforço.

Esse estilo é incompatível e incoerente com o clima, os hábitos e ideologia brasileiros – sempre foi e atualmente é ainda mais.

Podemos fazer um acordo? 1- deixe o estilo de vida americano para os americanos: eles inventaram isso, eles arquem com as consequências SOZINHOS. 2- deixe os anos 1950 na década de 1950: atualmente estamos no século 21 e o mais importante não é tecnologia que se desenvolveu mas as pessoas que se livraram de maus-hábitos que foram construídos por muitos anos. Ok, a moda é cíclica e é saudável revisitar o passado – mas apenas no sentido de se lembrar dele e não de voltar a vivê-lo como se fosse hoje! Acordem! Isto é uma questão de segurança pública e eu não estou exagerando: inocentemente ou maquiavelicamente, as lojas de departamento estão potencializando a lavagem cerebral que autoridades estado-unidense fazem pelo mundo afim de implantar suas próprias leis e satisfazer exclusivamente seus próprios desejos. Lembrem-se que nos próximos haverão eventos internacionais de grande porte e mesmo os civis menos espertos afirmaram por muito tempo que o Brasil não teria condições de receber tais eventos por não poder investir nas obras. O dinheiro nós ainda não temos, já que nunca tivemos para obras públicas tão importantes por todo nosso território federal – mas as obras para a Copa do Mundo, por exemplo, estão acontecendo e não é com nosso dinheiro: é capital estrangeiro que por nós é administrado sob a forma de empréstimo (cobrado com muitos juros, mesmo que não necessariamente sob a forma de dinheiro – e isso é o que preocupa mais).

Em Salvador temos o prático exemplo do Hotel Hilton, que teve sua obra embargada logo no início, na apresentação do projeto. Não tenho provas da relação entre os fatos, mas qualquer cidadão ou visitante pode notar o que aconteceu com nossa cidade desde então e perceber que as promessas de melhora só apareceram depois das promessas de liberação dessa e de outras obras sumariamente rejeitada há alguns atrás porque os ambientalistas temiam grave alteração na geografia do litoral. Os projetos ou não mudaram ou mudaram muito pouco, mas as obras estão sendo liberadas. E essas obras, de novo, não são para o povo de Salvador, da Bahia nem do Brasil – primeiro porque não será acessível a eles, segundo porque não corresponderá ao seu estilo. Tudo isso é exclusivamente para os alienígenas que aterrissam em terras tupiniquins para, mais uma vez, escravizar e dizimar os indígenas.

Sinto muito mas eu não terei forças para viver e ver isso.

Obs: “alienígenas” e “indígenas” formam um jogo de dualidade de palavras. O termo “indígenas” é popularmente utilizado para se referir aos nativos brasileiros que, teoricamente, são descendentes diretos daqueles que já habitavam esse território quando os europeus chegaram, e o termo “alienígenas” costuma ser confundido com “extra-terrestres” apesar de poder funcionar como sinônimo. Originalmente, porém, “indígena” refere-se ao indivíduo (ou, figurativamente, objeto) pertencente ao espaço usado como referência, e “alienígena” (já que é seu antônimo) refere-se àquele que é de fora. Sendo assim, em 1500 (segundo narra a história) os indígenas tupiniquins (muito hospitaleiros e ingênuos) receberam os alienígenas portugueses (muitos astutos e execrados em sua terra natal ao ponto de serem lançados ao mar com destino ao “fim do mundo” – já que a terra “era” chata). Sendo assim também, nós (os indígenas terráqueos) tememos uma invasão alienígena (extra-terrestre) por acreditar que todos são como nós e, se vão em excursão a um lugar novo, o principal objetivo “deles” é, primeiro, sondar o local para, posteriormente, dominar o território e destruir todo tipo de vida que ali existe e que poderia representar uma força de resistência à colonização. Fim da aula de gramática.

Dwsz.

HISTÓRIA CRÍTICA DO BRASIL


Apenas hoje (25/06/2012) eu finalmente assisti CIDADE DE DEUS inteiro. Só agora entendi que esse não é apenas um filme de violência. Não é apenas uma obra comercial que alimenta a mente pervertida de pessoas alienadas que só pensam em sexo, drogas e crimes.
O filme de Fernando Meireles conta uma história importante do Brasil (e da violência que o toma). Não é à toa que ele foi indicado pela UFBA para a segunda fase do vestibular. Os estudantes que também tiverem assistido BRASIL: UMA HISTÓRIA INCONVENIENTE (documentário da BBC) poderão compreender muito bem toda a origem do estímulo à destruição das famílias, à guerra e ao narcotráfico e por que os “afro-descendentes” são os designados a essas margens do Sistema.
Uma análise mais abrangente leva à conclusão de que qualquer estudante deveria se inscrever no vestibular apenas pelo prazer de ter a chance de pesquisar sobre esses temas. Há diversos vídeos do gênero no Youtube e aqueles que pretendem levar a prova a sério vão se dar bem se os assistirem.
Dwsz.