A Mar Otelo


ImagemQuando Kipman adiantou elementos de sua produção, durane um encontro de amigos, eu imaginei algo mais chocante do que vi na segunda-feira mas compreendi o impacto que ele disse ter causado na apresentação da proposta.
Ainda senti um pouco da sobriedade que deu uma leve empobrecida na insanidade que eu esperava com aquela empolgação que o dominava dias antes da mostra Podres Poderes, mas senti o erotismo, a paixão e a visceralidade que foram prometidos nos posteres digitais. Continuar lendo

Podres Poderes finaliza terceiro semestre de Cênicas da UFBA


Somente horas depois me perguntei como alunos ainda do terceiro semestre teriam habilidade para apresentar obras como aquelas. Saí do MAM pensando como aquilo era um digno trabalho de conclusão de curso, visto que eu já tinha assistido a uma peça com esse caráter mas que não me tocou profundamente.

A primeira cena, A Desdita de Prometeu, foi uma escolha perigosa por seu nível de dificuldade. Apesar da ambientação privilegiada a montagem não me surpreendeu, embora eu tenha me impressionado com as expressões corporais. Ok, era pra ser teatro e não balé, deixe quieto.

Em Arlequim – O Servidor de Dois Patrões o tom espirituoso dos gestos (mesmo de um ator com quase todo o rosto coberto por uma máscara) foram tão bem empregados que a tonalidade infantil da caracterização dos personagens menores compromete muito pouco a cena que, aliás, foi a de maior empatia.

O último núcleo apresentou A Mar Otelo e usou o melhor figurino, agraciados pelo sol poente.  Os atores estavam tão absorvidos que somente os personagens se fizeram presentes. Pude vê-los como sapatos novos de couro: um tanto duros, sendo ainda amaciados, mas onde se pode confiar na qualidade.

A mostra Podres Poderes, do módulo III de Interpretação e Direção da UFBA, está sendo exibida de ontem (segunda, 02 de Setembro) a hoje, com reapresentações quarta e quinta, inciando às 16:30 no MAM (que está fechado para visitação devido às reformas).

Dwsz.