Ou seleção ou avaliação


O Enem é uma farsa: basta você ir bem em Matemática e
Ciências da Natureza que você vai bem no Enem. O resto é “padrão”.
A Teoria de Resposta ao Item serve para selecionar candidatos mas não para avaliar o desempenho de um aluno.
Embora tenha me beneficiado para a certificação de proficiência no Ensino Médio, eu não concordo muito com isso.
Dwsz

Anúncios

O ENEM 2012 já tem data da prova


O ENEM 2012 já tem data para as provas, segundo o site oficial do Exame Nacional do Ensino Médio. As inscrições, porém, ainda não tiveram as datas confirmadas, mas estão previstas para o final de Maio ou início de Junho – ou seja, está bem perto!

O site também disponibiliza provas anteriores e indica links de sites que oferecem apostilas. Em síntese, o site oficial fornece todas as informações que os alunos que pretendem fazer a prova procuram.

O ENEM tem como objetivo avaliar o aprendizado dos alunos do Ensino Médio mas também está sendo utilizado por um grande número de universidades públicas e privadas como sistema de seleção. Também é possível solicitar o Certificado de Conclusão do Ensino Médio (há uma opção que deve ser marcada no ato da inscrição) caso o estudante tenha nota igual ou superior a 400 pontos na prova objetiva e 500 na redação.
Dwsz.

DATA DO ENEM 2012.

Aprendizado em 140 caracteres


A professora Giovanna Valenza utiliza o twitter para repassar o conteúdo com alunos como Viviane Maia dos Santos: “A gente até descobre interesses em comum com o Twitter. Quando a relação ficava só na sala de aula, acabávamos não tendo muito contato.” Viviane Maia dos Santos, estudante do Ensino Médio

O que é possível fazer com 140 caracteres? Para professores que usam o Twitter nas aulas, aumentar a atenção dos estudantes, ampliar a interação e facilitar o processo de aprendizagem. Mistura de blog e rede social, o site só possibilita textos curtos – para efeito de comparação, a segunda frase dessa matéria tem exatamente o tamanho permitido. Embora seja muito utilizado para expressar opiniões, ele pode ter outras funções e nos últimos anos ganhou status de recurso pedagógico. “As escolas e os professores estão se modificando para acompanhar a realidade dos alunos. A ideia da aula com giz e quadro-negro já caiu”, afirma Jonas Pegoraro, 30 anos, professor de História do Colégio Positivo.

Pegoraro conseguiu transformar a ferramenta de relacionamento, que muitos alunos usavam apenas para diversão, em mais uma mãozinha no aprendizado. Dentro de um amplo trabalho de pesquisa sobre a civilização egípcia, ele dividiu as turmas do primeiro ano do ensino médio em grupos e determinou que cada um postasse 50 mensagens sobre os conteúdos estudados. As turmas tiveram duas semanas para criar seus “tuites” sobre um subtema específico, entre eles mumificação, aspectos políticos, arquitetura e economia. O trabalho rendeu quase 30 mil postagens e virou o assunto mais comentado de Curitiba, na rede social, durante a manhã do dia 4 de abril. “Nunca vi os estudantes tão empolgados como naquele dia”, afirma Pegoraro. (grifo meu)

As postagens foram feitas no laboratório de informática do colégio. A estudante Helena Chagas Salvador, 15 anos, conta que os alunos queriam criar tuites diferentes e curiosos, por isso se comprometeram com a pesquisa. O trabalho também permitiu que os alunos desenvolvessem capacidade de síntese. (grifo meu) “Tínhamos de pegar informações e colocá-las em uma linguagem que todos entendêssemos e que coubesse em 140 caracteres. Tivemos de ler e reler os textos para poder simplificar”, diz.

 

Leia mais em: http://www.gazetadopovo.com.br/ensino/conteudo.phtml?tl=1&id=1168464&tit=Aprendizado-em-140-caracteres

As vaias para Haddad


Fernando Haddad ao lado de Lula, com uniforme do IF

Uma semana depois de o Enem de 2010 ter mostrado uma acentuada queda no desempenho das 50 melhores escolas de São Paulo, a cidade na qual pretende candidatar-se a prefeito em 2012, o ministro da Educação, Fernando Haddad, foi vaiado na Faculdade de Educação da USP e se envolveu em bate-boca com estudantes que criticavam a situação de abandono de várias instituições federais de ensino superior.

A expansão das universidades federais é uma das bandeiras que Haddad pretende usar em sua campanha eleitoral e os estudantes que o vaiaram eram, justamente, supostos beneficiários de sua política. Criadas com base mais em critérios de marketing político do que acadêmicos, tendo em vista a eleição presidencial de 2010, várias universidades federais foram inauguradas às pressas em instalações improvisadas, sem laboratórios e professores em número suficiente. (grifo meu)

Por isso, os grupos e facções estudantis que não se deixaram cooptar pelo governo federal – que converteu a UNE numa entidade chapa branca, por meio de generosos repasses financeiros – definiram uma pauta de reivindicações e um cronograma de protestos contra Haddad. Também acusam o ministro de não reivindicar um aumento mais expressivo do orçamento da educação.

Nesta década, o País tem investido, anualmente, 5% do PIB em ensino. No Plano Nacional de Educação, que tramita lentamente no Congresso, o governo propôs aumentar os investimentos para 7% do PIB. As organizações estudantis reivindicam 10%. (grifo meu) Para tentar granjear a simpatia dos estudantes da USP, Haddad chegou a invocar, sem sucesso, sua condição de ex-líder estudantil. E ainda tentou comparar os gastos com educação dos governos Fernando Henrique e Lula. Segundo ele, o orçamento do MEC subiu de R$ 32,1bilhões para R$ 69,7 bilhões, nos seis anos em que está à frente da pasta. O problema da gestão Haddad, portanto, não é de escassez de recursos, mas de falta de competência administrativa. (grifo meu)

Com o objetivo de mudar o foco do noticiário, que destacava o quadro desolador em que se encontra o ensino médio, revelado pelo último Enem, Haddad agora defende o aumento do tempo de permanência dos alunos na escola, seja ampliando de 200 para 220 o número de dias do ano letivo, seja elevando a carga horária diária. (grifo meu)

Pedagogos e dirigentes de escolas afirmaram que a ampliação da jornada diária é a medida mais recomendada para a melhoria de qualidade do ensino fundamental e médio, mas lembraram que ela é de difícil implementação, pois não houve investimento na melhoria da infraestrutura da rede pública nem na mudança dos currículos. (grifo meu) O ministro disse que já começou a discutir sua proposta com especialistas e secretários de educação, mas entidades do setor informaram que não foram procuradas para tratar do tema.

Esta tem sido a característica da gestão de Haddad à frente do MEC. Ele agita bandeiras vistosas, que lhe permitem sonhar com voos políticos mais altos, mas que carecem de eficácia e desperdiçam recursos escassos em programas sem a necessária conexão entre si. O ministro já defendeu a democratização do acesso ao ensino superior, sem tratar seriamente do ensino fundamental. Ele defendeu propostas irrealistas, como a adoção do tempo integral no ensino básico, quando deveria cuidar de questões fundamentais, como melhorar a qualidade do ensino de português, matemática e ciências. Endossou a introdução de filosofia e sociologia no ensino médio, sem que o País disponha de professores dessas disciplinas em número suficiente. Estimulou a ampliação desenfreada de escolas técnicas, sem que a rede já existente tivesse recursos suficientes para atender às despesas de custeio. E, ao tentar utilizar o Enem para unificar os vestibulares das universidades federais, desmoralizou esse mecanismo de avaliação.

A constrangedora vaia dos alunos da USP para Haddad não causa surpresa. Ela é a reação natural a uma gestão errática, demagógica e, principalmente, inepta.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,as-vaias-para-haddad,774039,0.htm

Continuar lendo

COMUNIDADE IFBA CAMAÇARI DECIDE VOLTAR ÀS ATIVIDADES


Em reunião realizada na última Sexta-feira, 20 de Maio de 2011, com representantes de cada categoria da comunidade Ifba Camaçari (alunos, professores e servidores) assim como da MFP, concluiu-se que o campus oferece as condições necessárias para o retorno das atividades.

Em função das chuvas, o cronograma não foi cumprido. Identificou-se, durante a execução, problemas mais importantes que não haviam sido detectados antes (e essenciais na resolução das falhas apontadas pela comunidade). Esses problemas foram resolvidos e, até a próxima Quarta-feira, 25 de Maio de 2011, todo o programa deve ter sido concluido e entregue. A um prazo um pouco mais longo, deve-se instalar catracas na portaria e uma faixa de segurança em frente ao portão de automóveis.

A decisão da greve foi dos estudantes, por isso, uma assembléia será realizada na manhã da Segunda-feira, 23 de Maio de 2011, preferencialmente com os alunos do Matutino e do Vespertino, a fim de apresentar o que foi exposto na reunião da Sexta-feira e decidir pelo fim da greve e volta às aulas ou se os resultados são insatisfatórios.

O calendário letivo já foi alterado para inserir cinco Sábados letivos. Caso haja avaliação em algum deles, os adventistas terão direito a segunda chamada.

Dwsz.

Professores decidem adiar atividades


A Coordenação de Humanas (profª Ingrid), de Linguagens (prof Daniel), de Ciências Exatas e da Natureza (prof Sueli) do Ifba Camaçari decidiu, em reunião realizada essa manhã, que as atividades que ocorreriam essa semana serão remarcadas. Resta fazer um acordo com os professores das áreas técnicas, que estão mais resistentes.
	O posicionamento oficial, a respeito da greve, depende  das decisões tomadas na reunião a ser realizada à tarde com a construtora.
Dwsz.

Antigo Cefet foi pressionado a deixar o prédio onde funcionava


	O Instituto Federal da Bahia funcionava em Camaçari, até o ano passado, em um prédio emprestado pelo SENAI e pelo CETEB mas os adiamentos sucessivos da entrega das obras fizeram essas entidades pressionarem pela transferência do Ifba.
	Com os prazos vencidos e a necessidade de uma área maior (exigência do novo processo seletivo), os cursos do antigo Cefet foram remanejados para o campus, que ainda não tinha condições de sediar as atividades.
	Os resultados são visíveis até para os que observam apenas a fachada da instituição. Não há calçamento para pedestres, a rede de esgoto está comprometida e o sistema de drenagem pluvial não foi devidamente instalado.
Dwsz.

Alunos recusam-se a assistir aulas e fazer avaliações


os estudantes que fizeram manifestação ontem, 11 de Maio de 2011, em Camaçari, reunem-se no dia hoje, quinta-feira, 12 de Maio de 2011, entre e si e com professores para discutir questões internas relacionadas a aulas e avaliações que não poderão ser realizadas nas atuais condições que o Ifba se encontra.
À tarde, uma comissão fará reunião com responsáveis pela contrução, em Salvador. Espera-se um acordo para resolução de problemas estruturais básicos e entrega de programa coerente para a finalização das obras, inciadas em 1º de Setembro de 2009 com previsão de entrega em 27 de Fevereiro  de 2010. O campus foi entregue no início de 2011 com o projeto inacabado.
Acompanhe e participe no Twitter com a hash tag #AlunosEmGreve.
Dwsz.

Alunos em greve


Os estudantes do campus Camaçari do Ifba (antigo Cefet) estão planejando uma paralização geral nas atividades da instituição com o inuito de evitar que alunos, professores e funcionários continuem em risco.
O protesto reivindica o término das obras. O campus foi entregue após os prazos previstos e mesmo o adiamento do início do ano letivo não possibilitou a conclusão do projeto. Hoje, as atividades acadêmicas são realizadas em desacordo com as exigências mínimas para o cumprimento do programa curricular, de infraestrutura e saneamento básico.
O temor dos alunos é que, com o vencimento do contrato de licitação que rege a construção, esta seja abandonada, ameaçando a população camaçariense com o risco de uma epidemia de dengue e de outras doenças e impedindo a continuidade do ano letivo.
Dwsz.

Ifba Camaçari: doce sonho, amarga realidade


Brasão Camaçari-BA

Image via Wikipedia

Os alunos do campus Camaçari do Ifba – Instituto Federal da Bahia (antigo Cefet) tiveram o início do ano letivo de 2011 adiado por conta do atraso nas obras.
Os adiamentos sucessivos da primeira aula do ano tinham o objetivo de garantir ao alunos, professores e funcionários o mínimo necessário para realização das atividades acadêmicas na nova sede. Até então (ano de 2010) as atividades da instituição aconteciam em um prédio emprestado pela prefeitura de Camaçari.
Nesta quarta-feira, 11 de Maio de 2011, os estudantes estarão se mobilizando para pedir o apoio da comunidade e chamar a atenção dos governantes para os problemas encontrados na unidade – e exigir soluções.
O campus foi entregue com as obras inacabadas e, com o período de chuvas, identificam-se erros grosseiros na execução do projeto. Questiona-se o prazo dado – e não cumprido – para a execução de todo o projeto; a licitação realizada para a construção do campus; o projeto enviado pelo governo federal; o corte nas verbas; a falta de segurança dentro do prédio e no caminho percorrido dele e para ele, de e para pontos de ônibus, por exemplo; o saneamento básico irregular; ausência de infraestrutura para instalação de redes de computadores (alunos de TI são prejudicados diretamente por perder conteúdos e aulas práticas e atividades administrativas também são comprometidas) entre diversos aspectos que incluem físicos da instituição, acadêmico-curricular, segurança e saúde.
Houve um acidente com operário ainda essa semana; há crateras por todo o terreno e extintores de incêndio irregulares; nos laboratórios, os equipamentos estão ameaçados por infiltrações; banheiros sofrem alagamento com refluxo de esgoto; o teto da área onde viria a ser o auditório desabou e há um alto risco de acontecer o mesmo com o telhado da biblioteca, onde há carência de livros essenciais. Esses são apenas alguns exemplos dos problemas encontrados no local.
O campus Camaçari do Ifba localiza-se no Bairro Novo, entre o Hospital Geral de Camaçari e o complexo Ford.

Dwsz.