Ver TV é uma obrigação


A maioria das pessoas na internet assiste os reality shows pelo prazer de falar mal desses programas. Não há nada de bom que possa ser aproveitado na maioria deles e o grande esporte é exatamente apontar os erros e todos os pontos negativos que os fazem ser produtos nocivos e de baixa qualidade.
Este prazer, porém, não é extasiante: não causa euforia ou nenhuma sensação sublime. Este prazer é aquele mesmo que se sente ao mergulhar a mão na água gelada depois de ter-se ferido com uma fôrma quente e pesada ao retirar um bolo do forno.

As pessoas não gostam realmente de assistir televisão: nem quem assiste TV aberta nem quem assina canais fechados. Ambos lamentam o conteúdo que recebem e choram por não poder “subir de nível”. Todos assistem pela obrigação de ter um assunto sobre o qual todos possam discutir em uma conversa.

O engraçado é que essa programação é elaborada pelos “donos do poder”, que têm um objetivo direto e específico com isso. Só que esses mesmos “donos do poder” reclamam dos efeitos causados na intelectualidade, cultura, educação, ética e moral da população.
E quem são os “donos do poder”?

Dowglasz Abjhörsky.

Anúncios

ENEM 2012 cancelado


Entrei no Twitter para atualizar a rede antes de inciar os preparativos para a prova de mais tarde e li que os Trending Topics me dizia que isso seria desnecessário. Em segundo lugar estava, claro, “ENEM“, já que são milhões de estudantes inscritos e as datas marcadas são hoje (03) e amanhã (04 de Novembro de 2012). Mas, em quarto lugar, estava “#ENEM2012cancelado”! Fiquei impressionado, principalmente pelo fato de a notícia só ter sido divulgada hoje (antes de dormir eu ainda não tinha visto burburinho na minha timeline do Facebook).

Seguindo o link do TT percebi que a maioria dos tweets eram chacota e no site oficial do do Inep não havia qualquer referência ao suposto ocorrido. Apelei para o Google que, na primeira página, apenas nas descrições, já me disse que era tudo boato. Mais do que isso: que a Polícia Federal vai investigar o caso.

Ora, lembrando de tudo o que aconteceu no passado, não seria nada difícil acreditar nesse mal-entendido. Mas foi justamente lembrando do passado que isso aconteceu: em 2009, um homem tentou vender a um jornalista uma prova subtraída de uma gráfica contratada para imprimi-las (isto foi notícia no Fantástico) e por isso as provas foram remarcadas. Acredita-se que um grande volume de acessos à publicação no site O Globo gerou esse tumulto, mas eu também aposto numa notícia real sobre o cancelamento do Enem 2012.

A intenção do MEC era realizar pela primeira vez duas edições do exame nacional no ano, mas a empresa que faz a gestão de risco do Enem concluiu que isso sobrecarregaria as estruturas logísticas do exame.

As provas estavam marcadas para Abril de 2012 e deixaram de ser realizadas exatamente pelos problemas anteriores, particularmente de 2011, onde estudantes tiveram erros na correção da redação, levando a Defensoria Pública da União a determinar que todos os estudantes tenham acesso à correção de suas provas (o que, até então, só seria possível com bons advogados). Com tão pouco tempo, não seria possível cumprir essa determinação, que fez o Enem 2012.1 ser cancelado mantendo-se apenas o que seria o Enem 2012.2, que sequer teve sua data alterada.

Em síntese, quase tudo o que se diz sobre o cancelamento do Enem 2012 é erro de interpretação e as provas dos dias 03 e 04 de Novembro de 2012 estão confirmadas, com portões abertos às 12:00 no horário de Brasília e duração de 4h30′ e 5h30′ respectivamente no primeiro e no segundo dias. É permito apenas o uso de canetas pretas com corpo transparente e não é obrigatório levar o cartão de inscrição: com local de prova e sala em mente, identifique-se apenas com documento de identidade com foto.

Dwsz.

Big Brother Brasil 13


Um carpete groselha numa kitnet toda branca.

Programa de televisão perdeu 10 anos de oportunidades de ser referência em moda-casa e desenho de intereiores no Brasil.

O programa produzido pela Rede Globo e de propriedade da Endemol, chegou à sua décima segunda edição ainda com muitos adeptos, mas com muitos críticos contra o programa. A verdade é que os televisionários já estão saturados do formato, que é praticamente o mesmo, sem novidades aparentes, desde a primeira edição, há dez anos. Sim, “apenas” dez anos porque o reality show foi exibido no Brasil pela primeira vez em 2002, com duas edições nesse e no ano seguinte.

Em 2013 a emissora exibirá a décima terceira edição, o que se deduz pelas seletivas (que duram um ano inteiro) estarem acontecendo pelo país. Há quem acredite nesse como um número de má sorte, mas estudiosos garantem que é o contrário, particularmente para comunicações. Isso, porém, não interfere na saturação. Vale enfatizar que o jogo oferece premiações milionárias, tanto para os participantes quanto para os investidores (através do retorno oferecido pelo merchandising e campanhas veiculadas nos intervalos do programa). E esses investidores não terão o mesmo interesse se a satisfação em ficar com a TV ligada de terça a segunda das 22:00 às 23:00 for a mesma das tardes de Domingo.

O que o Big Brother Brasil traz de comum entre todas as edições são mudanças na casa: sempre diferente, desde a decoração, passando por todo o mobiliário, até alguns cômodos. Em 2012 tentou-se sugerir uma ducha ecologicamente correta mas a sugestão, na verdade, foi que o “ecologicamente correto” é algo indesejável e obsoleto: era um chuveiro à manivela, que daria certo tempo de água quente de acordo com as voltas que se dava na alavanca. Erro pré-escolar (para evitar ofensas aos estudantes do Ensino Fundamental I, equivalente ao antigo primário) que não deve ser repetido senão pelos comediantes.

Ora, se todo ano a Globo apresenta uma casa nova, inclusive depois de fazer suspense, por que não apresentar algo que seja realmente surpreendente? Quero dizer, surpreendente no bom sentido – já que todos ficam surpresos com as babaquices que são mostradas. O BBB sempre teve tudo pra isso e deveria efetivamente ser um dos momentos mais esperados pelos designers, pela indústria da “moda-casa”, pelos compradores compulsivos de mobília, obras de arte, tintas de parede, pia, torneira, telhado, tapete, almofada, travesseiro… “Big Brother Brasil” deveria ser um “Fashion Home & Design” da TV brasileira. Aliás, se quiser manter a audiência e a popularidade do programa, é melhor pensar muito bem nisso porque mal chegava a metade da última edição e já rolava abaixo assinado pelas redes sociais pra tirar o programa do ar – independente do episódio “c* de bebo(a) não tem dono” (apesar de alimentado por ele).

Dwsz.

#PPP no #DONQQ


The unbalanced discovery boosts the unseen blast.
Clique aqui e saiba como anunciar

Hein? Não entendeu nada da frase acima? Não faz diferença, preste atenção apenas no que vem a seguir.

O Dê O Nome Que Quiser já está disponibilizando espaço para publicidade. Os formatos adotados são apenas banneres em Custo Por Impressão (CPM, custo por milhar) e em Custo Por Período (aluguel de espaço com preço e prazo fixos) e os post pagos (ou publipost). Toda peça publicitária será identificada como tal afim de não confundir os leitores e garantir melhor retorno aos investidores.

Os formatos Custo Por Clique (CPC) e Custo Por Ação (CPA) também serão aceitos, porém apenas como bônus (comissão) dos outros formatos. Espero que outros blogueiros copiem essa ideia porque 120×120 pixeis na internet já está valendo mais do que 30 segundos na Rede Globo. Fazer propaganda de graça e receber míseros R$0,10 por cada raro clique é escravidão, pra não usar o termo ofensivo que ameaçou sair. Afinal de contas: não importa se o leitor clicou ou não, o que importa é que ele viu o anúncio e já tem o nome do anunciante na cabeça. Assim como nos anúncios em classificados de jornais (que também valem menos) o retorno é muito melhor para o anunciante se o produto/serviço anunciado vier com preço. Vale a pena investir nos GIFs animados (que, aliás, são MUITO mais leves do que os flash, carregando mais rápido e melhorando a visibilidade).

Agradecimentos ao Alexandre Mortágua pela ideia compartilhada no Twitter há tempos atrás.

Dwsz.

Jornal: ‘Big Brother Brasil 12’ aposta em participantes mais jovens


Boninho, diretor do programa, disse que quer diminuir a média de idade dos participantes do programa. Foto: Ricardo Matsukawa/TerraFoto: Ricardo Matsukawa/Terra

Segundo informações da coluna Olá!, do jornal Agora São Paulo, a Globo vai apostar em um elenco mais jovem para o Big Brother Brasil 12. A informação é do diretor J.B. Oliveira, o Boninho.

A faixa etária do BBB 11 era de 27 anos. O BBB 8 foi a edição com a menor média de idade: 24 anos. Segundo Boninho, 20 mil pessoas já se inscreveram nacionalmente e cerca de 70 candidatos das seletivas regionais serão chamados para testes. O BBB 12 estreia em janeiro de 2012.

Fonte: http://diversao.terra.com.br/tv/noticias/0,,OI5313758-EI12993,00-Jornal+Big+Brother+Brasil+aposta+em+participantes+mais+jovens.html

O anônimo mais famoso do Brasil, quiçá da Web!!!


Uh! Ahahahahah!!! Viva!!!

Não bastasse meu nome, no Google, retornar apenas resultados diretamente relacionados a mim… esses resultados somam 99 (noventa e nove) páginas!!! Isso é um record!!! Qual anônimo no mundo conseguiu esse feito?

Qual não foi minha surpresa hoje, ao conferir de novo essa pesquisa? O Google sugere meu nome, certinho (ortografia), quando você digita apenas “Dowg”. Fantástico!!!

Já posso me considerar famoso? Se não puder: ô Boninho, me chama aí pra participar do Big Brother, pô!

Abraço!

Gol inicia serviços WiFi em seus voos


Wi-Fi Signal logo

Segundo artigo da Folha de São Paulo (27/AGO/2011), a Gol oferecerá, a paritr do próximo dia 1º, um serviço WiFi.
Inicialmente os privilegiados serão os usuários de computadores portáteis, como tablets e notebooks, de 250 voos diários.
Por enquanto serão disponibilizados conteúdos da Globosat, Editora Abril e Rádios Globo e CBN. Ainda não será oferecido acesso à internet (esse sistema será de intranet) mas há expectativas.
Os primeiros voos com o serviço WiFi serão os da ponte aérea Rio-São Paulo.
Dwsz

Gol inicia sergiços WiFi em seus voos


Segundo artigo da Folha de São Paulo (27/AGO/2011), a Gol oferecerá, a paritr do próximo dia 1º, um serviço WiFi.
Inicialmente os privilegiados serão os usuários de computadores portáteis, como tablets e notebooks, de 250 voos diários.
Por enquanto serão disponibilizados conteúdos da Globosat, Editora Abril e Rádios Globo e CBN. Ainda não será oferecido acesso à internet (esse sistema será de intranet) mas há expectativas.
Os primeiros voos com o serviço WiFi serão os da ponte aérea Rio-São Paulo.
Dwsz

As portas da casa mais vigiada do Brasil estão abertas para mim


Portal Rede Globo

Image by kenjiys via Flickr

As inscrições para o BBB12 já estão abertas. Eu iria meinscrever para o BBB11 mas, além de perder o prazo pra produção do vídeo, me preocupei mais com os concursos que já comentei.

Tenho certeza de que o personagem Dãglas, de Insensato Coração, foi inspirado no meu artigo sobre o nome de origem escocesa (Douglas – Dubhglas), uma declaração da Rede Globo para mim.

Umdos concursos deixou de meinteressar logo no começo do ano e eu desisti. O outro foio Ifba, onde eu posso aproveitar as férias ou trancar a matrículapor um ano.

É isso pessoal, as portas estão abertas, escancaradas para mim. Vou mepreparar para essa seleção e o processo vocês acompanham por aqui,na minha volta ao DONQQ.

Dwsz.

Tendências Alto Inverno + Primavera-Verão; Bônus: Desabafo e desafio


Essa é a opinião de alguém que tem – e usa – bons olhos e bom gosto.

Eu sei que é possível, e até provável, que a volta das peles tenha aborrecido mais a mim do que a outras pessoas. Eu – já comentei com alguns – cheguei a acreditar que roupas de peles de animais eram lenda, coisas que deixaram de existir com o final do século passado (tão tarde por causa da retroevolução humana). Mas essa ilusão não durou muito tempo. Bastou-me pensar um pouco sobre isso e, dias depois, comecei a ver aquela campanha contra a Arezzo (#PeleMania), depois contra a Le Lis Blanc (LeLisBlood) e rumores de que outras grifes pelo mundo (NO BRASIL TAMBÉM – PASMEM!) estariam ameaçando os equilíbrios (não me refiro apenas ao ecológico) do planeta.

Virada a página, eu ainda estou deprimido e com certo sentimento de luto. Acreditei que outros, como eu, estariam tendendo a abolir as estampas em protesto inclusive ao Animal Print – que perdeu seu espaço por ser o produto equivalente (e ace$$ível e mais leve) às peles naturais. Acreditei que, depois do Outono, surgiriam vitrines lindas e coloridas, sem estampas – E SEM PELES -, talvez mostrando que é muito mais bonito os humanos vestirem suas próprias peles. Acreditei que os fashionistas se interessariam em criar coleções com muito preto, marrom, amarelo, laranja e rosa – as cores das peles humanas.

Eu não sei sintetizar o que eu senti e pensei depois daqueles episódios, mas até agora ainda não estou bem. As araras de cativeiro nunca mais me sairam da cabeça.

Fato é que a “Moda Restart” está fazendo o devido sucesso. São muitas cores vibrantes mas fato também é que as pessoas nas ruas não sabem usar isso. Tendem ao ridículo. As exceções, acredito eu, devem preferir esse estilo apenas a partir da próxima Primavera. Até lá os meninos devem investir bastante na publicidade do novo cd… E, creiam, a “Moda Restart” é também para as mães!!! Eu vi na matéria do Jornal Hoje (Rede Globo) e uma senhora ficou muito bem com a roupa toda colorida! (Ah… há quanto tempo eu não vejo cores nos rostos das peessoas? Aquela senhora pareceu não só alegre por experimentar algo novo, mas FELIZ – de verdade – por ter descoberto as cores)

Depois das peles, eu desenvolvi ainda mais minha tendência à rejeição dos produtos de origem animal. Se eu cheguei a dizer que “matamos vacas todos os dias para comer, por que não usar seu couro além da carne (da mesma vaca)?” agora eu me pergunto mais do que antes se é realemnte necessário matar a vaca para comer. Se estou receoso de comer sua carne, também não quero mais usar seu couro. E nem preciso, há tantos produtos onde ele pode ser substituido! As Lojas Renner lançaram uma jaqueta de couro fake que 1- pode bem ser de borracha, assim como botas, bolsas e sapatos 2- pode ter cores. Cintos podem ser feitos de lona, assim como os tênis do Verão. E as roupas… ah, essas não tem jeito, têm que ser de algodão.

Há outras alternativas de origem animal que ainda não representam um risco ou dano direto como o leite e seus derivados e a lã, que pode ser e ovelha ou de poodle. Lã de poodle, aliás, é um grande desafio às madames e às grandes grifes – tem o efeito “Animal Skin” ou “Primitive Wear” que elas tanto querem, mesmo sem matar o bicho. Resta saber se as madames vão permitir que o pelo de seus bichinhos seja usado com essa finalidade.

Desabafo feito, desafio lançado; vou dormir que tô precisando muito. ;*

Dwsz.

Essa é a opinião de alguém que tem – e usa – bons olhos e bom gosto.
Eu sei que é possível, e até provável, que a volta das peles tenha aborrecido mais a mim do que a outras pessoas. Eu – já comentei com alguns – cheguei a acreditar que roupas de peles de animais eram lenda, coisas que deixaram de existir com o final do século passado (tão tarde por causa da retroevolução humana). Mas essa ilusão não durou muito tempo. Bastou-me pensar um pouco sobre isso e, dias depois, comecei a ver aquela campanha contra a Arezzo (#PeleMania), depois contra a Le Lis Blanc (LeLisBlood) e rumores de que outras grifes pelo mundo (NO BRASIL TAMBÉM – PASMEM!) estariam ameaçando os equilíbrios (não me refiro apenas ao ecológico) do planeta.
Virada a página, eu ainda estou deprimido e com certo sentimento de luto. Acreditei que outros, como eu, estariam tendendo a abolir as estampas em protesto inclusive ao Animal Print – que perdeu seu espaço por ser o produto equivalente (e ace$$ível e mais leve) às peles naturais. Acreditei que, depois do Outono, surgiriam vitrines lindas e coloridas, sem estampas – E SEM PELES -, talvez mostrando que é muito mais bonito os humanos vestirem suas próprias peles. Acreditei que os fashionistas se interessariam em criar coleções com muito preto, marrom, amarelo, laranja e rosa – as cores das peles humanas.
Eu não sei sintetizar o que eu senti e pensei depois daqueles episódios, mas até agora ainda não estou bem. As araras de cativeiro nunca mais me sairam da cabeça.
Fato é que a “Moda Restart” está fazendo o devido sucesso. São muitas cores vibrantes mas fato também é que as pessoas nas ruas não sabem usar isso. Tendem ao ridículo. As exceções, acredito eu, devem preferir esse estilo apenas a partir da próxima Primavera. Até lá os meninos devem investir bastante na publicidade do novo cd… E, creiam, a “Moda Restart” é também para as mães!!! Eu vi na matéria do Jornal Hoje (Rede Globo) e uma senhora ficou muito bem com a roupa toda colorida! (Ah… há quanto tempo eu não vejo cores nos rostos das peessoas? Aquela senhora pareceu não só alegre por experimentar algo novo, mas FELIZ – de verdade – por ter descoberto as cores)
Depois das peles, eu desenvolvi ainda mais minha tendência à rejeição dos produtos de origem animal. Se eu cheguei a dizer que “matamos vacas todos os dias para comer, por que não usar seu couro além da carne (da mesma vaca)?” agora eu me pergunto mais do que antes se é realemnte necessário matar a vaca para comer. Se estou receoso de comer sua carne, também não quero mais usar seu couro. E nem preciso, há tantos produtos onde ele pode ser substituido! As Lojas Renner lançaram uma jaqueta de couro fake que 1- pode bem ser de borracha, assim como botas, bolsas e sapatos 2- pode ter cores. Cintos podem ser feitos de lona, assim como os tênis do Verão. E as roupas… ah, essas não tem jeito, têm que ser de algodão.
Há outras alternativas de origem animal que ainda não representam um risco ou dano direto como o leite e seus derivados e a lã, que pode ser e ovelha ou de poodle. Lã de poodle, aliás, é um grande desafio às madames e às grandes grifes – tem o efeito “Animal Skin” ou “Primitive Wear” que elas tanto querem, mesmo sem matar o bicho. Resta saber se as madames vão permitir que o pelo de seus bichinhos seja usado com essa finalidade.
Desabafo feito, desafio lançado; vou dormir que tô precisando muito. ;*
Dwsz.

Mais um voto!


big boss

Image by aye_shamus via Flickr

Concordo que o programa deveria ter essa proposta, mesmo que fosse em apenas uma edição. (Peço desculpas se estiver citando uma sugestão que nunca foi dada, pois não li toda conversa. A primeira que meus olhos leram me transmitiram essa mensagem e eu prontament concordei com ela)

Uma edição interia onde os participantes não teriam acesso a cigarros ou a bebidas alcoolicas. Talvez até um dos lados tivesse que ser “ahimsa” (não-agressão), sendo impedido de comer carne, por exemplo. A segunda sugestão é bem radical… talvez pudesse ser só um castigo do Big Boss, sem problemas. Todos esses elementos formariam um pacote completo e perfeito para um dignissimo reality show. E ainda contaria (obviamente) com participantes de duas categorias: os que acreditam que isso seria o “nirvana” (paraíso), um presente; e os que acreditam que isso seria uma tortura!!! Dividindo a casa de forma que todos os grupos tivessem membros de ambas as cetegorias, haveria muita disputa, inclusive interna, para continuar no paraiso ou para fugir desse inferno. O premio final seria só mais um atrativo. Sem duvida esse formato ainda traria muitos atrativos à própria Endemol/RedeGlobo/Bo​ninho: a possibilidade de falar sobre anorexia, bulimia e vigorexia; filosofias de não-agressão; vegetarianismo, veganismo, naturalismo, e diversos outros ismos… Muitos desses temas estão entrando em voga ou já deveriam estar sendo tratados mais abertamente.

Esse Big Brother valeria a pena assistir.

Infelizmente eu não poderei nem me inscrever porque tenho dois contratos dos quais eu não abriria mão. Quem sabe em quatro anos, quando o ultimo contrato tiver sido cumprido? A Anamara abriu mão da corporação… Mas eu não quero escolher, eu quero associar. #Mais4Anos

Dwsz.

Postado originalmente na discussão da matéria Inscrições para o BBB 12 começam em abril.