Saia do Facebook


Comece a ganhar dinheiro com sua atividade no Facebook

Bem… na verdade não é com sua atividade no Facebook, mas com a atividade que você já está habituado a realizar naquela rede social (curtir, comentar e compartilhar).


Primeiro passo: cadastre-se no Tsu.

Tudo que você precisa é um “friend code”, que nada mais é do que o endereço da página de perfil de um amigo já cadastrado no sistema. Ora, vamos! Eu sou seu amigo! http://tsu.co/dowglasz

Segundo passo: convide todos seus amigos (comece por aqueles que estão no Facebook).

Você pode fazer isso pessoalmente, em uma conversa informal com a intenção de falar sobre “uma novidade muito interessante que eu descobri!”. Você pode fazer isso publicando o seu friend code na linha do tempo, explicando o que é o Tsu. Você pode fazer isso enviando mensagens, e-mails, torpedos, cartas, telegramas… Você que sabe.

Terceiro passo: aguarde enquanto as pessoas começam a se cadastrar no Tsu também.

Você pode curtir e comentar no Facebook para manter o contato com todo mundo, mas pare de publicar lá e publique apenas no Tsu (existe uma opção que faz aparecer no Facebook e Twitter também).

Quarto passo: curta, comente e compartilhe!

Daqui em diante é fácil: você já aprendeu a fazer amigos no Orkut e publicar conteúdo no Facebook. O negócio agora é ganhar dinheiro com as visualizações.

Por que você faria isso?

Por dois motivos básicos: Tsu é melhor que Facebook e você já está cansado de publicar de graça e fazer os acionistas e investidores do Facebook ganharem dinheiro às suas custas. No Tsu você é parceiro e ganha pelo que publica.

Por que você não faria isso?

Porque os seus amigos ainda usam o Facebook e você não quer convidar todos eles, como você fez com aqueles jogos e aplicativos que todo mundo odeia mas depois fica viciado, gastando tempo e dinheiro pra passar de fase. A preguiça está acima de tudo e você só vai pro Tsu quando o Facebook estiver totalmente entregue às moscas.

Aliás, lembra de quando todo mundo usava o Orkut e, de repente, virou uma febre migrar para o Facebook? Foi questão de poucos meses para o Orkut ser abandonado (e ele saiu do ar em Outubro de 2014, quatro anos depois*).

No Tsu chamamos isso de #Tsunami.

Siga a onda (follow the wave).

Dowglasz Abjhörsky.

*4 anos é o “prazo de validade” de um domínio na web, que pode ser recontratado por mais 4 anos. Mas se não for, o site é desativado automaticamente. Coincidência, não?

Tags: ganhar dinheiro na internet; redes sociais; adeus Facebook

Isso é permitido para crianças?


Como educador e pai fiquei preocupado com as imagens de uma criança, aparentemente filha de um cantor, em cima de um trio com o nome de Magory Lord, cantando e dançando músicas de cunho sensual, à semelhança de rituais de acasalamento de tribos indígenas. Gostaria de saber se isso é permitido. Além do mais, a festa de rua, pela prática exacerbada de cenas sensuais, muitas das quais de apelo sexual explícito, é idealizada para adultos e não para crianças, mesmo com a presença dos pais. Penso que é uma agressão à moral e aos bons costumes e fere o estatuto da criança e do adolescente. Peço que o assunto seja examinado pelo Ministério Público e o Juizado de Menores.

MARCELO TORRES (publicado no Espaço do Leitor, do jornal A Tarde, em 07/03/2014).

O que você quer saber?


Você tem dúvidas ou está procurando sugestões? Envie sua pergunta para dowglasz@gmail.com. Em breve você encontrará um novo blog onde as questões mais pertinentes serão respondidas de forma crítica através de uma análise ampla. Pergunte sobre o comportamento da sociedade, educação, cultura, arte, nomes, música… Não importa, se eu souber a resposta eu vou oferecer da forma mais coerente. Se eu não souber, eu vou procurar pra você.

Aguardo sua participação por e-mail.

Dowglasz.

Coelba permanece em greve


Os servidores da Coelba continuam em greve.
O curioso é que eles fazem manifestação pública mas não querem que o movimento seja público, não querem que seja veiculado nem que saia na mídia.
Como eu moro em frente à entrada da sede, eu decidi pegar minha câmera e fazer algumas fotos, como há semanas atrás. Dessa vez perguntaram de onde eu sou mas não só por curiosidade. Mesmo dizendo que sou amador me pediram identificação de imprensa. De forma hostil, uma mulher mais velha, irritada, me ameaçou dizendo “eu não sei de que lado você está, se sair alguma coisa que atinja a gente você não vai gostar do resultado”.
A mera suposição de que eu poderia publicar alguma coisa que os prejudicasse, assim, com fotos casuais e descompromissadas, amadoras mesmo, já é um forte indício do que eu suspeitava mas comentava à boca miúda por ser apenas especulação: que o movimento tem objetivo eleitoral apenas. E que pega “volume” com os funcionários que querem estender as férias, levando a greve até depois do carnaval.
Viva a Bahia.

Dowglasz

Vai doer


O processo de retirada às vezes é lento e precisa ser observado bem de perto. Tantas vezes precisa ser abrupto. Assim, seco. “Vai doer” e quando vê, já foi.

Esse blog me prometeu mais do que eu pude prometer a ele. Foi muito bom enquanto durou – e foram seis anos.
Mas tudo que é bom tem que acabar.

Dowglasz.

Quem são os “donos do poder”?


A teoria que rege o século 21 diz que:

“se você não está pagando pelo uso de um produto ou serviço, então o produto é você”.

Assim sendo, aqueles que pagam TV por assinatura é que determinam que conteúdo será exibido. Apenas aquilo que for aprovado e muito apreciado por esse público, ou seja, somente aquilo que tiver altos índices de aceitação e audiência e consequente potencial econômico oriundo de publicidade é que será transmitido também na TV aberta.
Em outras palavras: são os pagantes que indicam o que é bom para o “povo”

O “povo” ou os consumidores de produtos “gratuitos” recebem aquilo que é pago pela publicidade. Publicidade essa, porém, que abusivamente bombardeia os clientes que já pagaram pelo conteúdo.
De outra forma: os assinantes de canais fechados já pagam pelo conteúdo que recebem, enquanto a TV aberta é patrocinada pelos comerciantes que investem em propaganda.

Quem consome produtos pirateados ou extensões irregulares (gato) não pode nem reclamar nem elogiar porque corre o risco de ter o serviço bloqueado ou cancelado (é o caso de atualizar uma cópia pirata do Windows). No caso da internet, por exemplo, é mais conveniente ser lesado pela operadora de 3G  – com órgãos reguladores e de defesa a seu favor – do que ser lesado  puxando um “fio mágico” do seu vizinho – e ter que ficar calado sempre que houver queda na velocidade ou interrupção no serviço.

Se você paga, você pode. E se você estiver “só olhando” é porque você pretende pagar quando encontrar algo compatível com seu perfil e orçamento.
Quem paga tem o poder.

Dowglasz Abjhörsky.

Ver TV é uma obrigação


A maioria das pessoas na internet assiste os reality shows pelo prazer de falar mal desses programas. Não há nada de bom que possa ser aproveitado na maioria deles e o grande esporte é exatamente apontar os erros e todos os pontos negativos que os fazem ser produtos nocivos e de baixa qualidade.
Este prazer, porém, não é extasiante: não causa euforia ou nenhuma sensação sublime. Este prazer é aquele mesmo que se sente ao mergulhar a mão na água gelada depois de ter-se ferido com uma fôrma quente e pesada ao retirar um bolo do forno.

As pessoas não gostam realmente de assistir televisão: nem quem assiste TV aberta nem quem assina canais fechados. Ambos lamentam o conteúdo que recebem e choram por não poder “subir de nível”. Todos assistem pela obrigação de ter um assunto sobre o qual todos possam discutir em uma conversa.

O engraçado é que essa programação é elaborada pelos “donos do poder”, que têm um objetivo direto e específico com isso. Só que esses mesmos “donos do poder” reclamam dos efeitos causados na intelectualidade, cultura, educação, ética e moral da população.
E quem são os “donos do poder”?

Dowglasz Abjhörsky.

Qual a idade ideal para a reprodução de humanos?


Este artigo especulatório é uma crítica-analítica fria independente da opinião do autor.

No futuro, estudos indicarão que…

Espécimes da raça negra atingem sua idade reprodutiva aos 12 anos, extendendo-se aos 18.
Já na raça branca a idade reprodutiva vai dos 22 aos 35 anos, sendo o período ideal para procriação aquele compreendido dos 25 ao 30.

Não é aconselhada a hibridização, embora ela seja possível na prática, resultando em indivíduos não-estéreis mas que devem ser castrados física ou quimicamente. Há um importante volume de relatos sobre a ocorrência de doenças, particularmente de ordem mental — perigosíssimas por serem ocultas — na população miscigenada. Há os híbridos que apresentam mais genes de uma ou de outra raça, sendo facilmente confundidos como membros dela mas quase sempre apresentando tais defeitos.
A incidência de câncer e doenças degenerativas também foi considerada maior entre os indivíduos miscigenados.

No início do século 21 o Brasil pagou um preço alto para garantir a higienização: declarou a Bahia, um território de imensurável valor histórico para o país, como território “afro-brasileiro”. O objetivo inicial seria separar a população negra da população branca dentro de seu próprio território e, mais tarde, deportar os africanos de volta para sua terra de origem.
Não ficou claro, porém, quais seriam os tratamentos dados aos miscigenados, mas o raceamento teria se encerrado ali. Acredita-se que o Brasil, por ser desde a colonização portuguesa reconhecido como “Terra da Miscigenação”, abrigue todos os híbridos até sua total erradicação.

Dowglasz Abjhörsky

Operação Natal


Ah! Agora eu entendi as melhorias que eu tenho visto no Extra!
Aproveite pra fazer suas compras AGORA porque antes do carnaval a merda volta por todos os ralos de novo.

Dwsz.

Pesquisa de Mercado


O produto é BATATA FRITA “TIPO A”. A marca da loja é ASSÍDUA e a marca do fabricante é ORELHUDA. A batata frita “tipo A” ORELHUDA é muito famosa, seu fabricante é ROSILDA LTDA e também é uma empresa muito famosa e reconhecida no mercado. As batatas fritas “tipo A” ASSÍDUA e ORELHUDA têm o mesmo fabricante, ou seja, ambas são produzidas por ROSILDA LTDA e esta informação pode ser obtida ao comparar os rótulos.

A comparação de rótulos permite entender que as batatas fritas “tipo A” ASSÍDUA e ORELHUDA são exatamente o mesmo produto, uma com a marca do fabricante e a outra com a marca da loja.
Os produtos comercializados com a marca do fabricante têm preço tabelado, sendo o mesmo em todos os estabelecimentos. Os produtos comercializados com a marca da loja têm 70% de desconto sobre esse valor.

Assim sendo, a batata frita “tipo A” da famosa marca ORELHUDA custa R$10,00 o pacote de 100g, enquanto a batata frita “tipo A” ASSÍDUA custa R$3,00 o pacote de 100g.

Lembrando que ambos os produtos são o mesmo, trocando apenas de rótulo, qual batata frita “tipo A” você compraria: a da propaganda na televisão ou a de preço menor?

Dowglasz.

Vale a Pena Ver de Novo: Coelba em Greve


Funcionários da Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia fazem nova manifestação na Edgard Santos, no Cabula.

Funcionários da Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia fazem nova manifestação na Edgard Santos, no Cabula.

Os funcionários grevistas, que fizeram nova manifestação hoje, parecem participantes de um workshop no momento do coffee-break: agrupamentos dispersos, não identificados, conversando sobre quaisquer banalidades.
O líder sindical, com o microfone do carro de som, fala pra ninguém. Não há qualquer um que preste atenção, nem colegas nem transeuntes. Os populares simplesmente continuam andando sem entender o que está acontecendo.
A greve não tem 100% de adesão e aqueles que decidem trabalhar são chamados de “fura-greve”, “puxa-saco do patrão”, “traidor da categoria” através do mesmo microfone que é contada a história da música “três-três passará”. E mais um ataque é feito, reprovando aqueles que buscam o sindicato após receber uma demissão.
2014 é ano de eleição e eu já conheço essa novela desde o Congresso Estudantil da UNE/UJS em 2009, com reprise no IFBA em 2011.

Dowglasz.