Ifba é a melhor escola pública da Bahia


IFBA tem melhor desempenho no Enem entre as escolas públicas da Bahia

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia, IFBA, apresentou o melhor desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio, Enem 2010, entre as escolas públicas do estado, tanto em pontuação quanto em participação dos alunos na avaliação.
O IFBA campus Salvador obteve média 682,15, resultado da prova objetiva mais a redação, ficando em primeiro lugar entre as escolas públicas e na 7ª posição no ranking que engloba as instituições públicas e particulares do estado. A média obtida também garantiu o segundo lugar entre os Institutos Federais de todo o Brasil, estando, em primeiro lugar, o Instituto Federal do Espírito Santo (IFES).

 

Em relação à participação dos alunos no Enem 2010, o destaque é para o IFBA campus Valença, que apresentou 89% na taxa de participação e média total de 638,41, modalidade ensino médio regular, estando na melhor posição entre as instituições da rede pública da Bahia.

 

Este ano, o Ministério da Educação (MEC) dividiu as escolas em categorias de acordo com o percentual de participação de estudantes no Enem: a primeira inclui instituições que tiveram de 75% a 100% de adesão; a segunda de 50% a 74,9%; a terceira de 25% a 49,9% e, a quarta, de 2% a 24,9%.

 

Nesta avaliação, também pode-se destacar o campus Vitória da Conquista, com média de 669,96; Simões Filho, 655,91; Eunápolis, 649,60 com taxa de participação de 66%; Camaçari, 646,96 com taxa de participação de 55% e Santo Amaro, com média total de 638,70 pontos.

 

A partir dos dados divulgados nesta segunda-feira pelo Inep, identifica-se que a média do IFBA ficou acima da nacional, 511 pontos. Das instituições federais baianas que participaram do Enem 2009, o IFBA apresentou a segunda nota mais alta.

Segundo Mônica Sacramento, integrante da pró-reitoria de ensino e assessora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto, esses resultados se devem ao empenho de toda comunidade do IFBA, através de seus servidores e discentes, somados às ações pedagógicas incentivadoras da formação técnica.

 

“Nossa missão preconiza a formação do cidadão histórico-crítico, ao oferecer ensino, pesquisa e extensão com qualidade socialmente referenciada, objetivando o desenvolvimento sustentável do país. Somam-se ações específicas de visitas técnicas, estágios, atividades artísticas e culturais, bem como intercâmbio nacional e internacional que complementam a formação teórico-prática”, declarou.

Continuar lendo

Servidores fazem manifestação junto ao Sindicato em Salvador


Fernando Haddad

Image via Wikipedia

Na última quarta-feira, 31 de agosto, servidores do IF Baiano e IFBA se uniram ao Sindicado Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), em manifestação pela melhoria da educação. O ato público, cujo lema é “Educação vai às Ruas”, teve início, na avenida Paulo VI, em Salvador, onde está localizada a sede provisória da Reitoria do IF Baiano. Participaram da manifestação, os servidores da Reitoria e dos Campi Catu, Guanambi e Santa Inês do IF Baiano, além dos servidores do Campus Salvador do IFBA. Mais tarde, às 14 horas, a manifestação aconteceu no bairro do Canela, nas imediações da Reitoria do IFBA.

P8310959A greve dos servidores já dura 34 dias e conta com a adesão de servidores de 21 estados, cerca de 230 institutos federais paralisados. Além do reajuste salarial, auxílio alimentação e outros benefícios, constam na pauta de reivindicações a reestruturação de carreiras, a democratização dos institutos federais, manutenção dos concursos públicos, redução de carga horária e reestruturação da infra-estrutura dos campi. “É necessário chamar a atenção da população sobre a expansão e estruturação da Rede Federal, a fim de conscientizar a todos sobre as necessidades da educação pública e manutenção da qualidade. É importante que a população participe deste processo”, concluiu o coordenador do Sinasefe, da seção Catu, Luiz Henrique Souza.

Negociações – Dando continuidade às negociações, o ministro da Educação, Fernando Haddad, reuniu-se com o comando de greve do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), na segunda-feira passada, 29/8. Como ainda não houve acordo, o calendário de negociações segue com mais duas reuniões agendadas. O Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), que acompanha as negociações, foi representado pelo diretor administrativo, professor Cláudio Adalberto Koller.

Durante a reunião, representantes da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (Setec/MEC) anunciaram a conclusão de um estudo de demanda acerca das reivindicações relacionadas diretamente ao MEC. O conteúdo será transformado em propostas, a serem definidas na quinta-feira, 1/9, em reunião com o ministro da Educação e integrantes do Conif. As informações serão repassadas ao comando de greve na próxima terça-feira, 6/9, durante mais um encontro com o ministro.

Quanto à negociação de natureza econômica, cuja proposta – aceita por outras centrais sindicais – também foi apresentada ao Sinasefe na semana passada, pelo Ministério do Planejamento, Haddad destacou que a data limite para o fechamento do Orçamento de 2012 encerra no dia 31 de agosto, o que dificulta avanços neste momento.

P8310966Reuniões – por intermédio do Conif, a agenda de negociações entre o Ministério da Educação (MEC) e o comando de greve iniciou na última quarta-feira, 24/8, com a primeira reunião entre o comando de greve e o ministro. Na manhã seguinte, 25/8, os representantes do Sinasefe foram recebidos pelo secretário de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Eliezer Pacheco, em reunião preparatória para o início das negociações.

Conif e Sinasefe – Durante reunião do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica (Conif), na Bahia, em maio deste ano, houve a participação do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe).  Foram abordadas questões sobre a validação da pós-graduação no Mercosul, do auxílio transporte, a progressão por titulação dos servidores da rede e sua racionalização, ou seja, o ato de equilibrar a transição das carreiras dos servidores em razão da transformação das instituições para instituto federal.

O Conif colocou-se aberto ao debate para as questões apresentadas e reforçou a necessidade de formalização das relações entre o sindicado e o conselho, a fim de esclarecer as competências de cada um nessa relação e de manter um diálogo cordial e esclarecedor das posturas a serem assumidas pelas duas entidades.

P8310974

Ascom IF Baiano com informações da Ascom Conif

Fonte: http://www.ifbaiano.edu.br/portal/?p=6377

Presidente do Inep minimiza erro no cartão-resposta


Leandro Colon – O Estado de S.Paulo
Em entrevista coletiva no final da tarde, o Ministério da Educação minimizou o erro no cartão-resposta na prova do Enem. O governo não sabe, entretanto, quantos estudantes foram avisados a tempo do erro ocorrido e nem a partir de quando essa possibilidade de correção estará disponível na internet. “No decorrer da semana”, disse o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), José Joaquim Soares Neto.

O episódio estragou os planos do governo de anunciar a aplicação do Enem 2010 com sucesso, um ano depois da anulação do exame por causa do vazamento das provas.

Na coletiva, o Inep falou em tranquilidade, mas teve que admitir que foi pego de surpresa pela troca dos cabeçalhos do gabarito. “Fiquei sabendo por volta das 13h. Foi no começo, no início da prova. E a orientação foi dada bem no comecinho da aplicação”, disse Soares Neto.

Ele admitiu ainda que não pode garantir que todos os 3,5 milhões de estudantes que compareceram ontem ao exame receberam a informação de preencher as respostas de acordo com a orientação dada de última hora pelo MEC para que a numeração das questões da prova fosse seguida no preenchimento do gabarito.

“Se por acaso alguma sala ou estudante não recebeu (orientação), estamos abrindo o requerimento”, afirmou. Apesar do erro, o presidente do Inep tentou diminuir a gravidade do episódio. “Nós tivemos 3,5 milhões de estudantes realizando o exame muito bem elaborado e não temos ocorrências de problemas em nenhum local. Tudo ocorreu de forma tranquila e a realização do exame foi um sucesso”, disse.

Soares Neto afirmou que não sabe o que ocorreu na impressão do cartão-resposta. “Ainda não tenho claro a origem do problema”, disse. “Claro que existe revisões, houve uma falha”, ressaltou. “É um processo bastante complexo. Nesse momento não tenho como afirmar onde foi que não ocorreu a não conferência, a falha desse problema”, afirmou.

Segundo ele, o Inep já entrou em contato com a gráfica que imprimiu as provas e o convênio Cespe/Cesgranrio que elaborou o exame deste ano. Soares minimizou a responsabilidade do MEC no erro. “O Inep não tinha as provas. As provas são impressas na gráfica em regime de total sigilo”, disse.

O presidente do Inep afirmou que o problema não mancha a credibilidade do exame, um ano depois do escândalo do vazamento da prova. “De forma alguma esse problema coloca em risco a credibilidade do exame. Ele ocorreu com bastante tranquilidade e sucesso”, disse.

O erro ocorreu no cabeçalho do cartão-resposta, onde os alunos anotaram o gabarito. No caderno de prova, os estudantes tinham de responder, em primeiro lugar, as questões de ciências humanas, cujas questões vinham numeradas de 1 a 45. Depois, vinham as perguntas de ciências da natureza, entre os números 46 e 90. No cabeçalho do cartão-resposta, porém, a ordem estava invertida, o que causou confusão entre os estudantes.

Fonte:http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,presidente-do-inep-minimiza-erro-no-cartao-resposta,635860,0.htm

Continuar lendo