Pedido de desculpas pela primeira semana de aulas


Splash Screen auf "KDE"

Image by Udo Herzog via Flickr

Caros colegas,

Peço desculpas aos que sentiram-se incomodados com meus inúmeros pronunciamentos, às vezes elaborados e rebuscados.

Trata-se de um comportamento que eu fui obrigado a adotar, depois de passar por certas situações, com a finalidade de evitá-las. Nosso curso, especificamente, tem duração de 4 anos e, em conflito com o que alguns colegas demonstram, consciente ou inconscientemente, EU não disponho de mais do que isso.

Caso nós não caminhemos no mesmo ritmo, ignorem-me sem receio. Em algum momento de nossas existências nos encontraremos de novo. Talvez eu possa ajudá-los. Talvez vocês não precisem mais da minha ajuda (talvez nunca tivessem precisado). Talvez seja melhor ignorar o déjà vu.

Não espero fazer amigos nesta turma – abomino a idéia de viver uma ilusão. Mas será necessário termos acordos, pois, no meio acadêmico ou profissional, precisaremos formar equipes.

Para garantir a defesa de meus direitos/interesses será absolutamente necessário continuar inquirindo e questionando os professores (para evitar atrito, posso evitar aproximação com alguns colegas), pois não posso correr o risco 1- de confiar em uma fonte falsa 2- de ficar com uma dúvida até o dia da reprovação final.

Aos “mudos” só posso sugerir que aproveitem-se dessa minha característica ou que pronunciem-se (sob pena de não obter o conhecimento necessário para a funções a exercer).

Desde já agradeço a contribuição que todos têm feito desde a aula inaugural. Normalmente o maior erro que eu cometo numa leitura, é acreditar que há um erro na minha leitura. Aqui não tem sido diferente. Como habitual, pode haver algumas lacunas que são preenchidas mais tarde, mas elas servem sempre para entender melhor, nunca para mudar a interpretação.

Aqueles que sentirem-se incomodados/ofendidos com minhas análises devem fazer valer seu livre arbítrio e não manter contato comigo. Eu não alimento relações estéreis e, nesse sentido, espero obter reciprocidade.

Quanto aos professores que têm medo dos questionadores, sugiro fazer um curso de reciclagem, pois essa postura é totalmente nociva (para o professor e para os alunos), especialmente em instituições renomadas. Não direciono essa sugestão a ninguém em especial, mas se a carapuça servir, vista-a como fosse sob medida.

Espero, sinceramente, que todos os colegas tirem proveito de todo material (concreto ou abstrato) a ser oferecido.

Amistosamente,

Dowglasz.

Eu não alimento relações estéreis e, nesse sentido, espero obter reciprocidade.
Quanto aos professores que têm medo dos questionadores, sugiro fazer um curso de reciclagem, pois essa postura é totalmente nociva (para o professor e para os alunos), especialmente em instituições renomadas. Não direciono essa sugestão a ninguém em especial, mas se a carapuça servir, vista-a como fosse sob medida.
Espero, sinceramente, que todos os colegas tirem proveito de todo material (concreto ou abstrato) a ser oferecido.
Anúncios

Uma resposta

  1. Meu objetivo não é fazer amigos, é ser um programador (vide edital do processo seletivo e aula inaugural). É certo que não é sensato rejeitar pedidos de amizade sem avaliar cada caso e, para afirmar que esse não é o meu objetivo, eu levei em consideração o teor de documentos que firmavam uma relação entre e a Instituição. Relacionamento interpessoal não tratado diretamente em nenhum dos artigos, deixando nas entrelinhas que eles podem – e devem – acontecer sempre que possível, apenas de forma produtiva – e da mais produtiva possível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s