Mesmo quando os nossos cérebros estão em repouso, eles não ficam completamente “parados”. Os cientistas chamam isso de “atividade do estado de repouso”. Um novo estudo descobriu que essa atividade se desenvolve no momento em que um feto completa 40 semanas.

Essa atividade do estado de repouso é o que envolve o cérebro quando ele não está trabalhando em uma tarefa específica. Os neurônios que realizam essa ação estão por todas as redes do cérebro, desde áreas visuais e zonas motoras até áreas envolvidas na atenção e no pensamento abstrato.

Uma dessas redes, a rede de modo de repouso, é ativa quando as pessoas estão em estado de vigília, levando os pesquisadores a teorizarem que ela está envolvida com devaneios e introspecção.

Agora, o novo estudo descobriu que a rede de modo de repouso é plenamente operacional até o nascimento. Isso sugere que o papel da rede tem a ver com mais do que a introspecção.

Os pesquisadores realizaram exames cerebrais em 70 bebês saudáveis que tinham nascido entre 29 e 43 semanas de desenvolvimento. Os pesquisadores descobriram que as redes de repouso ficavam completamente desenvolvidas nos bebês nascidos com 40 semanas. Quando um bebê atinge 40 semanas de idade, sua rede é muito parecida com a do adulto.

Já os bebês de 30 semanas tinham fragmentos incompletos, mas reconhecíveis das redes, sugerindo que as redes de estado de repouso em crianças se desenvolvem nas últimas 10 semanas de gravidez.

Para observar os cérebros das crianças, os pesquisadores utilizaram ressonância magnética funcional, um método que capta as mudanças no fluxo sanguíneo no cérebro. A circulação sanguínea aumentada traz mais oxigênio e se correlaciona com a atividade do cérebro.

Os resultados sugerem que as redes de estado de repouso estão menos envolvidas com a ação consciente e os pensamentos do que se acreditava antes. Elas são mais fundamentais do se pensava, porque não precisam estar relacionadas com qualquer aspecto cognitivo.

Segundo os pesquisadores, essas redes são muito poderosas para ajudar a entender o que o cérebro está realmente fazendo. O próximo passo é estudar crianças que tem redes de repouso fragmentadas, para saber se esses rompimentos afetam o desenvolvimento do bebê. [LiveScience]

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s